João Moutinho foi a primeira escolha no draft da MLS

Português, formado no Sporting e com nome de craque, jovem defesa de 20 anos foi escolhido pelos Los Angeles FC

Tal como acontece nas restantes ligas profissionais do desporto nos Estados Unidos, também na Major League Soccer (MLS) se efetua anualmente um draft para as equipas escolherem os melhores futebolistas saídos das equipas universitárias. E este ano a primeira escolha recaiu num jogador português, João Moutinho.

Tal como o médio homónimo que agora representa o Mónaco, também este defensor, de 20 anos, foi formado no Sporting. No verão passado, o jovem jogador mudou-se para o Estados Unidos, para estudar e representar a equipa de futebol na Universidade de Akron, no Ohio (na cidade onde nasceram os basquetebolistas LeBron James e Stephen Curry, por exemplo), a qual ajudou a chegar às meias-finais do campeonato universitário.

Moutinho, que pode jogar a lateral esquerdo, central ou médio defensivo, foi ganhando destaque e favoritismo para ser a primeira escolha do draft. O que foi confirmado agora com a opção dos Los Angeles FC, equipa que vai estrear-se na MLS na próxima temporada, com o ex-selecionador norte-americano Bob Bradley. como treinador principal.

"É uma montanha russa de emoções. Nunca pensei nisto quando vim para cá. Ser a primeira escolha num draft com um excelente grupo de jogadores é uma verdadeira honra", comentou o jovem defensor português.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.