Judoca João Martinho bronze no Open Europeu

Atleta do Benfica conseguiu o melhor resultado do dia para Portugal

O judoca português João Martinho conquistou este domingo a medalha de bronze na categoria de -81kg no Open Europeu de Minsk, naquele que foi o melhor resultado de hoje dos atletas nacionais.

Na corrida às medalhas, João Martinho começou por derrotar o finlandês Klaus Verlin por 'waza-ari' e o ucraniano Eldar Panhani por 'ippon', antes de ceder no combate de acesso às meias-finais frente ao arménio Andranik Chaparyan por 'waza-ari'.

Na repescagem, João Martinho superiorizou-se ao cazaque Bekzhan Abdualiyev por 'waza-ari', enquanto na luta pela medalha de bronze derrotou o georgiano Tamazi Kirakozashvili por 'ippon'.

Também em -81kg, Diogo Lima começou por derrotar o lituano Tigran Galstian por 'ippon', o moldavo Nicon Zaborosciuc por 'waza-ari' e o ucraniano Aleksandr Cherkai por 'ippon', mas perdeu no combate de acesso às meias-finais com o georgiano Tamazi Kirakozashvili por 'waza-ari' e na repescagem frente a Vladimir Zoloev, do Quirguistão, por 'ippon', fechando a prova no sétimo lugar.

Os restantes judocas em ação hoje, Yahima Ramirez (-78kg) e Célio Dias (-100kg) cairam nas primeiras rondas, enquanto Jorge Fonseca (-100kg) ainda venceu um combate, mas caiu logo de seguida.

Além do bronze de hoje de João Martinho, o judo português conquistou duas medalhas de ouro através de Telma Monteiro (-57kg) e de Maria Siderot (-48kg) e outra de bronze por Joana Diogo (-48k), todas no sábado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.