João Mário: "Seria presunção dizer que estamos ao mesmo nível de Espanha"

Na conferência de imprensa da seleção nacional em Krakovo, João Mário defendeu que Portugal vai fazer de tudo para chegar longe

João Mário foi o jogador que na manhã de terça-feira foi à sala de imprensa falar com os jornalistas sobre a preparação da seleção para a fase final do Campeonato do Mundo de futebol da Rússia 2018, cujo pontapé de saída dará na próxima sexta-feira, dia 15, frente à Espanha.

O central do West Ham não prometeu uma vitória, mas assegurou que Portugal tudo vai fazer para garantir sempre bons resultados.

"Não nos colocamos ao mesmo nível de Espanha. Eles são mais favoritos do que nós, até pelo historial das suas participações. Seria presunção dizer que estamos ao mesmo nível de Espanha, e presunçosos não somos", afirmou, adiantando: "Mas vamos fazer de tudo para vencer todos os jogo".

O futebolista de 25 anos garantiu ainda que Cristiano Ronaldo está "focado e numa excelente forma física".

"Ele é muito focado psicologicamente e nada o vai desviar de ajudar Portugal", garantiu quando questionado sobre como estava o número sete português a lidar com as notícias sobre uma possível saída do Real Madrid.

Também por isso, o primeiro jogo de Portugal com Espanha vai ser especial para a seleção das quinas. "Quando jogas um Portugal Espanha é especial por tudo".

Mas isso não significa que os jogadores portugueses vão acusar a pressão. "Nós temos jogadores muito experientes", solta, e uma arma imbatível: "Cristiano Ronaldo é o melhor do mundo. A estrela deste mundial."

O médio recusou ainda comentar a rescisão unilateral de contrato dos colegas de seleção William, Bruno Fernandes e Gelson Martins do Sporting, que seguiram o exemplo de Rui Patrício, Podence e do holandês Bas Dost.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".