João Carvalho morreu após 41 golpes na cabeça

Tribunal estabelece causa de morte do lutador de MMA

A morte do lutador português de MMA João Carvalho foi provocada pelos traumas cranioencefálicos resultantes de 41 golpes na cabeça, foi esta quinta-feira declarado num tribunal de Dublin.

Marie Cassidy, a patologista que autopsiou o lutador afirmou, em tribunal, que João "Rafeiro" Carvalho morreu por sofrer um hematoma subdural agudo, provocado pelos traumas resultantes de contundente na cabeça, segundo escreve o jornal irlandês RTE.

João Carvalho, que tinha 28 anos, morreu dois dias depois de participar no combate "Total Extreme Fighting", no National Boxing Stadium da capital irlandesa, em abril de 2016.

O tribunal irlandês também apelou à criação de normas internacionais para a modalidade de MMA (Mixed Martial Arts), que evitem a repetição de situações como a de João Carvalho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.