Janela para o título, com o FC Porto à espreita

A cinco jornadas do fim da Liga, e com a luta pelo título ao rubro, sobe ao palco o 300.º duelo entre os eternos rivais Sporting e Benfica

Quase 110 anos depois do capítulo inicial desta história (a 1 de dezembro de 1907), o cartaz do 300.º dérbi dos dérbis em Portugal apresenta-se transcendente, numa altura em que a rivalidade parece mais inflamada do que nunca. Sporting e Benfica encontram-se hoje (20.30, Sport TV1), a cinco jornadas do final do campeonato, num duelo com janela aberta para o título de campeão e na qual se pendura à espreita, como parte muito interessada, o outro grande do futebol português, o FC Porto.

Realisticamente, nesta altura, aos leões não sobrará outro papel na luta pelo título que não seja o de ajudar o FC Porto a evitar um inédito tetra encarnado. A oito pontos das águias e a cinco dos dragões, mesmo o segundo lugar (acesso direto à Champions) se afigura complicado para a equipa de Jorge Jesus, dependente do descalabro de um rival.

Ainda assim, no contexto de uma rivalidade em píncaros históricos de ruído, não falta motivação a um Sporting que chega ao dérbi embalado pela melhor série de vitórias (cinco) e de jogos sem perder (dez) nesta época.

Também há dez jogos sem perder na I Liga, o Benfica empatou dois dos últimos cinco. A equipa de Rui Vitória esteve em risco de perder a liderança para o FC Porto, no início de abril, mas chega agora a Alvalade um pouco mais folgada de novo, com três pontos de avanço sobre os dragões (já foram seis, à 16.ª jornada). Se vencer hoje, em casa do eterno rival, dá um passo de gigante para o tetra. Caso contrário, a corrida pelo título, com o FC Porto, será ponto a ponto e golo a golo nos quatro jogos restantes.

Entre os duelos particulares que ajudam a encenar o dérbi lisboeta está aquele que mantém Jorge Jesus e Rui Vitória desde que este sucedeu àquele no verão de 2015, quando Jesus mudou de lado na Segunda Circular. Depois de três derrotas de enfiada nos primeiros meses de Benfica, Vitória equilibrou e ganhou os dois últimos jogos - na 1.ª volta deste campeonato, na Luz, e na época passada em Alvalade, crucial para a conquista do título. E hoje, quem sairá a rir?

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.