Jackson Martinez será o 5.º mais bem pago do mundo

Avançado colombiano trocou o Atlético de Madrid pelos milhões da China

A transferência de Jackson Martinez para o Evergrande da China terá chocado meio mundo do futebol. É verdade que o ex-jogador do FC Porto estava a desiludir nestes primeiros seis meses como colchonero, mas ninguém esperava que o avançado de 29 anos rumasse àquele país asiático. Ou melhor, certamente ninguém esperava antes de saber o salário que irá receber: 12,5 milhões de euros anuais.

Este valor, diga-se, fará do colombiano o 5.º jogador mais bem pago do mundo, apenas atrás de Cristiano Ronaldo, Lionel Messi, Ibrahimovic e Thomas Muller. Os milhões convenceram Jackson Martinez, que irá agora jogar na equipa de Luiz Felipe Scolari, ex-selecionador de Portugal, entre outras equipas.

Eis o Top10 dos jogadores mais bem pagos:

Cristiano Ronaldo 21 milhões

Lionel Messi 20

Ibrahimovic 16

Muller 13,5

Jackson Martinez 12,5

Thiago Silva 12

Ronney 11,5

Gareth Bale 11

Di Maria 11

Cavani 10

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.