Itália e Polónia no caminho de Portugal na nova prova da UEFA

O selecionador Fernando Santos elogia jogadores polacos e diz que a squadra azzurra era o adversário que "ninguém desejaria". Fase de grupos entre setembro e novembro

O sorteio da Liga das Nações, realizado ontem no centro de convenções Swiss Tech, em Lausana, na Suíça, ditou que a seleção nacional vai defrontar Itália e Polónia, no grupo 3 da Liga A, divisão em que estão incluídas as nações mais cotadas da UEFA (ver quadro).

A nova prova de seleções europeias, que se vai disputar de dois em dois anos, arranca entre 6 e 8 de setembro, datas previstas para a 1.ª jornada, e merece a aprovação do selecionador Fernando Santos. "Numa primeira análise, creio que esta prova tem coisas positivas. Uma delas é o facto de promover a competição em países que, teoricamente, nunca poderiam chegar a uma fase final de uma prova. Neste momento todas essas equipas têm essa janela de oportunidade. É uma competição que vai eleger um campeão por grupo, terá subidas e descidas de divisão e isso contará muito para o ranking", referiu.

Sobre os adversários, o selecionador campeão europeu mostrou grande respeito. "Conhecemos bem a Polónia, depois de os termos defrontado nos quartos-de-final do Campeonato da Europa. É uma equipa que tem jogadores de enorme qualidade e que tem vindo a subir muito. A Itália é talvez o adversário que ninguém desejaria. Ficou fora do Mundial e obviamente vai pôr tudo o que tem nesta Liga das Nações. Vai querer mostrar a potência do futebol italiano", afirmou o técnico de 63 anos, que viu o seu antigo jogador no FC Porto, Deco, tirar as bolas da Liga A.

Final four, subidas e descidas

A fase de grupos vai disputar-se em seis datas entre setembro e novembro deste ano. No caso da Liga A, os quatro primeiros de cada agrupamento vão apurar-se para a final four - composta por meias-finais, jogo de apuramento de terceiro e quarto lugares e final -, que vai realizar-se em junho de 2019 (em país a designar entre os quatro finalistas) e vai decidir o campeão da edição inaugural.

Contudo, se Portugal tem a possibilidade de juntar a conquista da Liga das Nações 2018-19 ao Campeonato da Europa de 2016, também corre o risco de... descer de divisão. Será esse o destino dos últimos classificados de cada grupo, que passarão para o patamar abaixo, numa situação que é transversal às Ligas A, B e C. Por outro lado, também vai haver promoções. Os primeiros de cada grupo das Ligas B, C e D sobem à divisão acima.

Quatro vagas para o Euro 2020

As 55 seleções filiadas na UEFA foram distribuídas pelas quatro ligas em função do ranking continental e vão disputar paralelamente, entre março e novembro de 2019, a fase de qualificação para o Euro 2020. Nesse apuramento, as equipas vão ser divididas em dez grupos, com os dois primeiros de cada agrupamento a garantir um lugar no Campeonato da Europa.

Contudo, como o torneio vai contar com a presença de 24 seleções, há quatro vagas que serão decididas em função do desempenho na Liga das Nações. Ou seja, as quatro melhores não qualificadas de cada liga vão disputar um playoff em março de 2020 para definir os últimos apurados para o Europeu. Se numa liga não restarem seleções ainda não apuradas suficientes, serão repescadas as seleções com melhor ranking da liga abaixo.

Isto significa que pelo menos uma das seleções da Liga D, que engloba as 16 menos cotadas do continente, vai estar na fase final. Uma oportunidade única para quem está habituado a assistir aos grandes torneios através da televisão. Das 16, apenas a Letónia esteve num Europeu, o de 2004, que se realizou em Portugal.

Este é um dos aliciantes da edição inaugural de uma prova que vai ter a particularidade de colocar frente a frente nações que outrora foram só uma. Casos de Eslováquia e República Checa, no grupo 1 da Liga B, e de Sérvia e Montenegro, no grupo 4 da Liga C.

Por outro lado, quase desaparecem os jogos particulares: em 2018, sobram duas datas para as seleções das ligas A e B e do grupo C1.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.