Irregularidades na atribuição dos Jogos Olímpicos do Rio 2016

O Comité Olímpico irá contactar as autoridades francesas na sequência de alegadas fraudes noticiadas pelo jornal Le Monde

O Comité Olímpico Internacional (COI) anunciou esta sexta-feira que vai contactar as autoridades judiciais francesas na sequência de acusações de alegadas irregularidades na atribuição dos Jogos Olímpicos Rio2016, noticiadas pelo jornal Le Monde.

Segundo o diário francês, o ex-atleta namibiano Frank Fredericks possuía uma sociedade nas ilhas Seicheles que no mesmo dia em que a cidade do Rio de Janeiro foi escolhida para sede dos Jogos Olímpicos de 2016 recebeu uma verba de 299.300 dólares (cerca de 283.574 euros).

O porta-voz do COI, Mark Adams, garantiu que o organismo acredita que ex-atleta namibiano Fredericks "vai disponibilizar todos os elementos que provam a sua inocência", de forma a contrariar as acusações feitas pelo jornal galês.

Adams explicou que o antigo velocista já contactou a Comissão de Ética do COI para esclarecer a situação.

Frank Fredericks terá dito que a verba em causa foi depositada pela Pamodzi Sports Consulting, uma empresa gerida por Papa Massata Diack, que se dedica à promoção de programas de marketing desportivo da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF).

"A Comissão de Ética está a analisar as alegações para clarificar todo o assunto", referiu Mark Adams.

O jornal francês também alude a um pagamento feito por um empresário brasileiro a Lamine Diack, antigo presidente da IAAF, três dias antes da eleição da sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

Franck Fredericks, que já presidiu à Comissão de Atletas do COI, integra atualmente a Comissão de Avaliação das candidaturas aos Jogos de 2024.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.