Derrota de Dolgopolov está sob investigação

O encontro entre o ucraniano Alexandr Dolgopolov e o brasileiro Thiago Monteiro, da primeira ronda do torneio de ténis de Winston-Salem, nos Estados Unidos, está sob investigação pela Unidade de Integridade no Ténis (TIU), foi hoje anunciado.

No domingo, Dolgopolov, 63.º do 'ranking' mundial, perdeu por duplo 6-3 com o brasileiro, 114.º da hierarquia, na primeira ronda do torneio de Winston-Salem.

O organismo, que combate a corrupção no ténis, disse hoje que foi alertado para uma ascensão "anormal" nas probabilidades do ucraniano nas casas de apostas, o que levou várias empresas a deixar de aceitar apostas, revelou o TIU, em comunicado.

"A Unidade de Integridade no Ténis tomou nota de alertas sobre apostas suspeitas durante o jogo entre Dolgopolov e Monteiro, no torneio de Winston-Salem", disse o organismo, que garante estar a "avaliar a situação e a preparar uma resposta apropriada", depois de colaborar com várias agências ligadas ao mundo das apostas desportivas.

O TIU, que recentemente excluiu o francês Constant Lestienne do 'grand slam' Roland Garros por uma aposta de 2,90 euros na final de 2015, explicou ainda que é "importante lembrar que um alerta deste tipo não é automaticamente sintomático de corrupção", e que a investigação poderá durar semanas ou mesmo meses.

O tenista português João Sousa é 17.º cabeça de série do torneio, pelo que entrará em ação na segunda ronda, na terça-feira, frente ao vencedor do embate entre o letão Ernests Gulbis e o húngaro Márton Fucsovics, proveniente do 'qualifying'.

Já Thiago Monteiro, que venceu Dolgopolov no encontro sob investigação, vai defrontar o italiano Paolo Lorenzi, sétimo cabeça de série.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.