Inês Henriques estabelece novo recorde nacional nos 35 km marcha

Atleta melhorou em quase cinco minutos o registo alcançado no ano passado

A atleta portuguesa Inês Henriques estabeleceu hoje a melhor marca nacional nos 35 quilómetros de marcha atlética, em 02:45.50 horas, melhorando em quase cinco minutos o registo alcançado também em Porto de Mós, no ano passado.

Com este registo, ainda oficioso, a atleta do Clube de Natação de Rio Maior sagrou-se campeã portuguesa dos 35 km, juntando este título ao de campeã do mundo dos 50 km, que conquistou em agosto de 2017, em Londres, com a marca recorde do mundo (04:05.56 horas).

Em 15 de janeiro de 2017, igualmente nos campeonatos nacionais de marcha de estrada, Inês Henriques tinha fixado o recorde nacional nos 35 (02:50.79) e nos 50 km (04:08.25), que melhorou então a melhor marca mundial alcançada pela sueca Monica Svenson (04:10.59) em 2007 e que não era reconhecida como recorde pela IAAF, uma vez que a distância não era oficial no setor feminino.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?