Heynckes confirma convite do Bayern de Munique

O treinador alemão confirmou ter recebido uma oferta para regressar ao comando técnico do Bayern de Munique, mas que ainda não tomou a decisão de assinar pelo campeão alemão

"Não há nada claro nem definitivo. Tenho de analisar tudo. Há quatro anos e meio retirei-me no Bayern e o futebol continuou a evoluir", disse Heynckes, ao jornal Rheinischer Post Online.

Retirado do futebol desde que, ao comando dos bávaros, venceu a Liga dos Campeões de 2013, o antigo treinador do Benfica disse estar em forma e capaz de assumir o cargo, mas que teria de pensar com calma na proposta, não dando uma data para a sua resposta final.

Na entrevista ao jornal alemão, Heynckes confirmou que se encontrou com o presidente Uli Hoeness, com Karl-Heinz Rummenigge, presidente da sociedade desportiva, e Hasan Salihamidzic, diretor desportivo, que lhe propuseram assinar até ao final da temporada.

Na sua edição de hoje, o jornal Sport Bild noticiava que Heynckes iria suceder ao italiano Carlo Ancelotti à frente da equipa principal do Bayern Munique.

Em 2013, Heynckes escreveu uma das principais páginas da história do Bayern de Munique, ao vencer, na mesma temporada, campeonato, Taça da Alemanha e Liga dos Campeões.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.