Heynckes confirma convite do Bayern de Munique

O treinador alemão confirmou ter recebido uma oferta para regressar ao comando técnico do Bayern de Munique, mas que ainda não tomou a decisão de assinar pelo campeão alemão

"Não há nada claro nem definitivo. Tenho de analisar tudo. Há quatro anos e meio retirei-me no Bayern e o futebol continuou a evoluir", disse Heynckes, ao jornal Rheinischer Post Online.

Retirado do futebol desde que, ao comando dos bávaros, venceu a Liga dos Campeões de 2013, o antigo treinador do Benfica disse estar em forma e capaz de assumir o cargo, mas que teria de pensar com calma na proposta, não dando uma data para a sua resposta final.

Na entrevista ao jornal alemão, Heynckes confirmou que se encontrou com o presidente Uli Hoeness, com Karl-Heinz Rummenigge, presidente da sociedade desportiva, e Hasan Salihamidzic, diretor desportivo, que lhe propuseram assinar até ao final da temporada.

Na sua edição de hoje, o jornal Sport Bild noticiava que Heynckes iria suceder ao italiano Carlo Ancelotti à frente da equipa principal do Bayern Munique.

Em 2013, Heynckes escreveu uma das principais páginas da história do Bayern de Munique, ao vencer, na mesma temporada, campeonato, Taça da Alemanha e Liga dos Campeões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.