Harry Kane ausente dos relvados durante um mês devido a lesão

O avançado inglês do Tottenham vai ficar afastado dos relvados durante um mês, devido a uma lesão no tornozelo direito, revelou esta quarta-feira o emblema londrino.

O internacional inglês lesionou-se no último fim de semana ao serviço dos spurs, no triunfo sobre o Bournemouth (4-1), em jogo da Premier League, num lance disputado com o guarda-redes Asmir Begovic.

Nos últimos dias, a imprensa inglesa estava a avançar que Kane iria falhar a fase final do Mundial 2018, que se vai realizar na Rússia, mas os exames realizados esta quarta-feira determinaram que o jogador de 24 anos deverá voltar a jogar já em abril.

"Os exames confirmaram que Harry Kane danificou os ligamentos laterais do seu tornozelo direito, mas é esperado que regresse aos treinos em abril", explicou o Tottenham, através da sua conta na rede social Twitter.

Além de falhar os próximos jogos dos spurs, Kane vai ficar de fora dos particulares que a Inglaterra vai disputar com Holanda (23 de maio, em Amesterdão) e Itália (27, em Londres).

Na Premier League, Kane soma 24 golos e lidera a lista de melhores marcadores em igualdade com o egípcio Salah, do Liverpool.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".