Guedes: "Fomos todos heróis, não ganhei o jogo sozinho"

Avançado que marcou os dois golos ao Sporting na final da Taça tem como objetivo chegar à seleção e representar um grande da Europa. A referência no futebol é... Ibrahimovic

A final da Taça frente ao Sporting foi o seu melhor jogo enquanto profissional de futebol?

Penso que sim, pois significou um troféu com a dimensão da Taça de Portugal e ainda por cima foi uma vitória em que tive um papel decisivo, ao marcar dois golos.

Se antes do jogo lhe dissessem que iria marcar os dois golos da vitória, acreditava?

Acreditava na vitória do Desportivo das Aves, embora tivesse noção de que seria muito difícil ganhar a uma equipa com a qualidade do Sporting. Mas se me dissessem que iria marcar os dois golos da vitória não acreditaria.

Dos dois golos que marcou na final, qual o de execução mais complicada?

Foram ambos de difícil execução. No primeiro, consegui chegar em esforço ao cruzamento e cabecear. No segundo, fui lançado em profundidade, isolei-me, mas depois perdi a vantagem que tinha ganho ao Coates. Esperei pelo apoio de algum colega e como ele não surgiu decidi arriscar a jogada individual e o remate. E felizmente saiu tudo bem. Penso que o segundo golo foi de mais difícil execução.

Foi recebido como um herói em Vila das Aves. Como foi a festa?

Sim, não só eu como todos os meus colegas, não ganhei o jogo sozinho. O nosso segredo foi a união que demonstrámos, com todos a puxar para o mesmo lado. Só isso nos permitira ganhar a uma grande equipa como o Sporting. A festa na Vila das Aves foi muito bonita, em comunhão com os nossos adeptos.

Tem ideia de quantas mensagens recebeu no telemóvel?

Ui, foram tantas... Ainda há bastantes que nem tive oportunidade de ler, mas vou ver se consigo tirar um tempinho e responder a todas.

O treinador José Mota queixou-se da pouca atenção que a comunicação social dedicou ao Aves nos dias que antecederam esta final. Partilha das dores do seu técnico?

Ficámos um pouco tristes, mas a verdade é que se calhar até foi melhor assim, pois permitiu que nos abstraíssemos e concentrássemos no nosso trabalho, preparando a final com toda a tranquilidade.

Sentiu os jogadores do Sporting tristes devido às agressões de que foram alvo?

Sim, senti isso, mas penso que à medida que o jogo se foi desenrolando eles conseguiram esquecer esses tristes acontecimentos.

Esteve sete anos ligado ao Sporting. Custou-lhe conquistar a Taça às custas do clube em que cumpriu grande parte da sua formação?

É sempre especial defrontar o Sporting, pois foi o clube em que me formei e aprendi muito. Passei lá tempos fantásticos, na altura eles eram muito rígidos com os jogadores dos escalões jovens, preocupando-se não só com o aspeto futebolístico mas também com a nossa formação. E ainda bem que era assim, só posso agradecer ao Sporting tudo o que fez por mim. Por outro lado, dá-me uma motivação extra jogar contra o clube em que me formei.

Acredita que pode chegar à seleção? Foi internacional nas seleções jovens e inclusivamente o melhor marcador do Europeu de sub-19 em 2013...

Sim, esse Europeu de sub-19 foi um dos momentos mais altos da minha carreira. Tenho o objetivo de chegar à seleção A e estou confiante de que mais tarde ou mais cedo vou consegui-lo.

Tem alguma referência como ponta de lança?

Várias, mas a principal é o Ibrahimovic, pela forma como segura a bola e finaliza com os dois pés e com a cabeça.

Depois de duas temporadas no Aves, em que apontou, respetivamente, 14 e 13 golos, nesta época foi menos utilizado e só marcou cinco. A que se deveu este menor rendimento?

Foi a minha primeira época na I Liga e custou-me um pouco adaptar-me. Por outro lado, tive algumas lesões que me prejudicaram. Mas ajudei a minha equipa e marquei alguns golos.

Os seus colegas de equipa dizem que é muito tímido...

Sim, é verdade, confirmo que sou muito tímido. Não gosto de confusões nem de grandes euforias. Prefiro ficar no meu canto.

Quais são os seus grandes objetivos para os próximos anos?

O meu grande objetivo é chegar à seleção. E tenho a ambição de representar um grande clube do futebol europeu.

E regressar ao Sporting?

Não fecho as portas a nenhum clube e muito menos ao Sporting, fui lá muito feliz. Mas tenho contrato com o Desportivo das Aves.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.