Gonçalo Paciência sonha voltar à final do Europeu

O avançado Gonçalo Paciência expressou esta terça-feira a ambição de ajudar a seleção sub-21 de a, "pelo menos", repetir no próximo Europeu, na Polónia, a presença na final, alcançada há dois anos

Em conferência de imprensa realizada na Cidade do Futebol, em Oeiras, o jogador do Rio Ave admitiu que o sonho é tema de conversa no grupo orientado por Rui Jorge e lembrou a "qualidade muito grande" da equipa, vincando a capacidade para "pensar em coisas boas para Portugal e em fazer coisas bonitas".

"Passa sempre pela cabeça. Mesmo no último Europeu isso já passava. Estamos juntos todos os dias e é natural que essa conversa surja entre nós. Pensamos em igualar pelo menos o que fizemos no último Europeu. Sabemos da nossa qualidade e ao que vamos", afirmou.

No entanto, o ponta de lança, de 22 anos, reconheceu também a forte oposição que a seleção portuguesa irá encontrar no Europeu que irá decorrer na Polónia, no qual parte integrada no grupo B, ao lado de Espanha, Sérvia e Macedónia.

"Temos de olhar também para as outras seleções: a Espanha já foi campeã várias vezes, a Sérvia já foi campeã sub-19 e sub-20 e acabamos por ser a equipa com menos história na competição. Há que encarar isto de maneira natural: temos as nossas hipóteses e as nossas qualidades. Quanto ao favoritismo, as três equipas podem passar", sublinhou.

Do lote de 25 elementos ao dispor de Rui Jorge irão sair hoje dois elementos para a lista final de 23 jogadores a entregar à UEFA. Após quase duas semanas de trabalho em conjunto, Gonçalo Paciência assumiu que ver dois colegas a abandonar a comitiva é "sempre uma situação complicada" na antecâmara de uma grande prova.

"Já estamos juntos há semana e meia e é natural que se vá criando os laços de uma concentração. É sempre complicado ver dois colegas partir, mas mereciam todos ir à fase final. Temos trabalhado bem e demonstrado grandes competências para estarmos lá todos", referiu.

Com o futuro em aberto depois de uma época ao serviço do Rio Ave, por empréstimo do FC Porto, o avançado confessou encarar o Europeu de sub-21 como "uma grande montra", embora tenha recusado pensar no futuro ou no clube para a próxima temporada.

"Se estivermos a pensar no que vai acontecer e no futuro, não vamos tirar grandes resultados no presente. Temos de nos concentrar no próximo jogo. Quando se faz as coisas bem, isso vem por acréscimo", declarou, acrescentando ser "mais um para ajudar" a seleção no Europeu.

Nos convocados figuram também elementos com experiência na seleção A, nomeadamente Renato Sanches e João Cancelo, algo que Gonçalo Paciência valorizou, destacando, sobretudo, o lado humano dos dois jogadores e a capacidade para assimilar a 'descida' aos sub-21.

"Não conhecia o Renato, o Cancelo já conhecia há vários anos dos outros escalões. São dois grandes seres humanos. Já estiveram na seleção A, chegaram aqui e tiveram um comportamento excelente. Tiveram um impacto muito forte no grupo. Olhando para eles e para a sua forma de estar, não é um passo atrás estar aqui. Têm de ser referência para nós", sentenciou.

A seleção sub-21 treina na manhã desta terça-feira na Cidade do Futebol, num dia em que serão conhecidos os dois jogadores a 'riscar' da convocatória para o Europeu, que decorre na Polónia entre 16 e 30 de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.