Ex-futebolista George Weah apontado à vitória nas presidenciais

Os primeiros resultados provisórios das eleições presidenciais na Libéria indicam que George Weah, antigo jogador profissional de futebol, está à frente na contagem dos votos

De acordo com os dados preliminares divulgados hoje pela Comissão Nacional de Eleições, Weah tem o maior número de votos nas 14 das 15 províncias do país, enquanto o atual vice-presidente, Joseph Bokai, lidera na província de Lofa, onde nasceu.

No total, 20 candidatos concorrem às presidenciais na Libéria.

O presidente da Comissão Nacional de Eleições, Jerome Korkoya, alertou que os primeiros resultados divulgados representam ainda uma pequena percentagem do número total de votos e pediu cautela aos candidatos quanto a eventuais declarações de vitória que podem ser extemporâneas.

A Libéria escolhe o sucessor de Ellen Johnson Sirleaf, a presidente que liderou o país após o final da guerra civil e durante a crise sanitária provocada pelo vírus Ébola que matou cindo mil liberianos.

Na quinta-feira, um dos maiores partidos políticos da Libéria pediu a paragem da contagem dos votos alegando irregularidades e fraudes durante a votação.

Os apoiantes do Partido da Liberdade afirmam que a hora de início da votação começou tarde e referiu-se a falta de condições em, pelo menos, uma assembleia de voto em Monróvia.

A comissão eleitoral já disse, entretanto, que está disposta a receber todos os protestos e queixas, mas deixou claro que a contagem dos votos não vai ser suspensa.

"Temos um mandato constitucional para organizar as eleições e declarar os resultados definitivos daqui a 15 dias", disse Henry Boyd Flod, porta-voz da Comissão Nacional de Eleições.

O Carter Center, um dos observadores às eleições presidenciais na Libéria, já sublinhou o "ambiente de calma" durante a votação e, apesar de ter detetado "falta de condições" em alguns centros de voto, remeteu a declaração final sobre as eleições para o dia em que forem divulgados os resultados definitivos.

"Qualquer que seja o resultado, estas eleições vão resultar na transferência de poder um órgão democraticamente eleito para outro, pela primeira vez na vida dos liberianos", disse o Carter Center, através de um comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."