Gareth Bale fora das escolhas do Real Madrid

O extremo galês continua fora das opções de Zidane, devido a problemas físicos, mas deverá recuperar para a segunda mão

O futebolista internacional galês Gareth Bale estará ausente dos convocados do Real Madrid para a partida dos oitavos de final da Liga dos Campeões contra o Nápoles, indicou hoje o treinador dos 'merengues', Zinedine Zidane.

Gareth Bale sofreu uma luxação traumática nos tendões peroniais do tornozelo direito, no jogo em que os 'merengues' venceram o Sporting (2-1) em novembro, na quinta jornada da Liga dos Campeões.

O jogador, habitual titular na equipa em que atuam Cristiano Ronaldo, Pepe e Fábio Coentrão, foi submetido a 29 de novembro a uma intervenção cirúrgica em Londres.

Hoje, Zidane assegurou que Bale já estará recuperado para a partida da segunda mão da 'Champions' contra o Nápoles, em Itália, a 07 de março.

"O trabalho de campo tem corrido bem. O que falta agora é treinar com a equipa, que é o mais importante", acrescentou o técnico dos 'merengues'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?