Futebol turco despede 94 membros na sequência de tentativa de golpe de estado

Vários membros da Federação Turca de Futebol estiveram no golpe de estado do passado dia 15 de julho

As autoridades do futebol turco anunciaram esta terça-feira ter despedido 94 elementos filiados na federação, incluindo árbitros e observadores, na sequência da tentativa de golpe de estado a 15 de julho para retirar Recep Erdogan do poder.

"A nossa federação considerou necessário demitir 94 pessoas, incluindo árbitros regionais e nacionais, membros do comité de árbitros e observadores", informou a federação, sem dar nomes.

As reações de Erdogan após a tentativa de golpe falhado têm sido transversais na sociedade turca, com milhares de despedidos e encarcerados, sendo que o futebol não é exceção.

As alegadas ligações a Fethullah Gulen, o ex-imã de 75 anos radicado nos Estados Unidos desde 1999, e que Erdogan considera mentor principal da conspiração, têm sido o motivo para a purga que no futebol já dura há vários dias.

Todos os membros das comissões afiliadas na federação renunciaram no fim de semana para permitir uma "inspeção de segurança" para ver se alguém tem ligações a Gulen.

A federação disse que aceitaria os pedidos de demissão dos simpatizantes de Gulen, a quem acusam de liderar uma "organização traidora e terrorista", e recuperaria os "membros que estejam limpos, para continuarem em funções".

O internacional alemão Mario Gomez, o melhor marcador do campeonato turco na época passada, deixou o Besiktas devido à situação política no país.

O presidente da federação, Yildirim Demiroren, já disse que o campeonato e jogos internacionais vão disputar-se como previsto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...