Futebol português contribuiu com 456,1 milhões para o PIB em 2016/2017

O futebol profissional contribuiu diretamente com 456,1 milhões de euros (ME) para o PIB português na época 2016/2017, de acordo com um estudo da Ernst & Young, realizado com base em informação fornecida pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

O primeiro Anuário do Futebol Profissional Português nota que o peso da modalidade na economia nacional - correspondente a 0,25% do PIB -- seria ainda maior se fossem somados os impactos indiretos, em setores como o turismo, a comunicação social e as apostas desportivas.

Com um total de 443,3 ME, a I Liga foi responsável por mais de 97% do impacto global na economia portuguesa durante a época passada, que teve um acréscimo de 44% relativamente a 2015/2016, temporada em que o futebol profissional contribuiu com 315,9 ME para o PIB.

Nessa época, a modalidade pagou 21,9 ME em impostos e foi responsável pela criação direta de 2.055 postos de trabalho (1.523 dos quais na divisão principal), segundo o estudo da empresa de auditoria e consultoria, que não apresenta os mesmos indicadores referentes a 2016/2017.

As sociedades desportivas geraram mais de 680 milhões de euros em volume de negócios em 2016/2017, valor impulsionado pela forte subida das receitas na I Liga, que ascenderam a 659 ME, um aumento de 31% face à época anterior.

Benfica, FC Porto e Sporting concentraram 76% da globalidade das receitas durante aquele período, em que os maiores ganhos estão relacionados com transferências de jogadores (32%) e renegociação de contratos de transmissão televisiva de jogos (24%).

A despesa total da I Liga também cresceu em relação a 2015/2016, mas substancialmente menos (6%), atingindo 585 ME, muito influenciada pelo pagamento de salários mais elevados a atletas, treinadores e funcionários dos clubes, com os três 'grandes' a serem responsáveis por 79%.

A rubrica de gastos com pessoal subiu 12%, o dobro do aumento da totalidade da despesa, passando de 240,4 ME em 2015/2016 -- durante a qual o salário médio dos jogadores se cifrou em 197.595 euros - para 268,2 ME na última época.

Tal como aconteceu com as receitas e as despesas, também o ativo e o passivo das sociedades que disputam a I Liga cresceu em 2016/2017: o ativo subiu 21%, para 1,23 mil ME, enquanto o passivo cresceu 14%, ascendendo a 1,20 mil ME.

O rácio de solvabilidade (a capacidade de uma empresa pagar as dívidas) teve uma evolução muito positiva, passando de -2% para 31%, tendo 15 das 18 sociedades apresentado resultados líquidos positivos durante o período, num total agregado de 58 ME.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.