Futebol é propício a personalidades egocêntricas

Especialistas em comportamentos referem características de personalidade que se manifestam mais em certos ambientes

Personalidades egocêntricas, impulsivas, emocionais, centralizadas nos seus problemas, que procuram emoções e não medem os atos. São características de personalidade e que encontram no desporto um espaço privilegiado para se manifestarem. No futebol podem ter mais ênfase precisamente por ser mediático, dizem os peritos em comportamento.

O DN falou com psicólogos e psiquiatras na tentativa de traçarem um perfil de Bruno de Carvalho, algo que se recusaram por desconhecerem do ponto de vista clínico a pessoa em causa. Mas não se recusam a fazer uma análise do que se passa atualmente na liderança do clube de Alvalade.
"Há determinadas pessoas que são impulsivas ou procuram sensações, esse tipo de pessoa não mede completamente o resultado dos seus atos, age primeiro e pensa depois, são características de personalidade. Depois, o tipo de comportamentos que manifestam tem maus resultados porque agem de acordo com a impulsividade", começa por dizer o psicólogo clínico Américo Batista. E conclui: "São características de quem faz coisas fora do habitual e tudo o que sejam atividades que impliquem alta emotividade. E claramente que o futebol é propício à existência de pessoas que procuram sensações."

O psiquiatra Afonso Albuquerque defende que os comportamentos fazem parte da pessoa desde criança, mas existem ambientes em que determinadas características não se manifestam, podendo até nem se dar por elas. "Agora se estão num ambiente de maior exposição e se são inteligentes, o que acontece em geral, em 90 % dos casos há mais possibilidade de se manifestarem."

Exemplifica com os comportamentos psicopatas e que trazem dificuldades acrescidas quando implica uma relação com os outros. "A psicopatia é uma perturbação que existe e que pode tornar-se problemática não só para a própria pessoa como para os outros com quem se envolve. Às vezes têm delírios paranoides, desconfiam mais do que a média das pessoas, têm uma grande frieza afetiva, só contam os sentimentos que as favorecem, são egocêntricas, centralizadas nos seus problemas e ideias. Quando são inteligentes, podem causar grandes danos, são capazes de liderar esquemas maquiavélicos em seu próprio benefício."

O psicólogo forense Rui Gonçalves entende que o que se passa com o Sporting vai além dos principais protagonistas. "Estamos a falar de uma situação que pode vir ter repercussões muito importantes a vários níveis. Entre a euforia clubística e as necessidades racionais para manter a gestão de uma empresa, que é o clube, jogam-se situações muito contraditórias. É preciso fazer uma leitura em conjunto com outras pessoas e perceber o que se está a passar. Este incêndio que entretanto se ateou tem de ser rapidamente extinto. O futebol é uma atividade desportiva que envolve competição e as pessoas exaltam-se quando as coisas não correm como o esperado, isso é aceitável. O que não é aceitável é a violência, aí já estamos a falar de crime."

Jorge Silvério, mestre em psicologia do desporto, explica que as pessoas têm diferentes comportamentos no dia-a-dia e o futebol é um contexto onde se expressam. "Funciona como um escape para determinado tipo de reações. É o futebol porque é o mais mediático, os outros desportos também proporcionam isso. Mas, ressalva, "não acho que o futebol seja um mundo à parte. Há pessoas que em geral se comportam obedecendo a princípios éticos e dentro da lei e outros que não o fazem. E no futebol, como em outras áreas da sociedade, quando as pessoas não cumprem a regras devem ser punidas."

Ler mais

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.