Frederico Morais relegado para a repescagem na segunda etapa do circuito de surf

No sexto 'heat' da primeira ronda, disputado com condições difíceis do mar, o surfista cascalense não conseguiu qualificação direta

O português Frederico Morais foi hoje relegado para a repescagem do Drug Aware Margaret River Pro, segunda etapa do circuito mundial de surf, pelo havaiano John John Florence, atual campeão do mundo, e pelo 'wild-card' australiano Jacob Wilcox.

No sexto 'heat' da primeira ronda, disputado com condições difíceis do mar, o surfista cascalense não foi além dos 3,40 pontos (2,83 e 0,57), insuficientes para a qualificação direta para a terceira eliminatória, obtida por John John, com 13,67 (7,17 e 6,50).

O 'wild-card' Jacob Wilcox, que em 2013 derrotou o norte-americano Kelly Slater em Peniche, também 'caiu' na segunda ronda, de repescagem, como o segundo lugar na bateria, com 4,40 (0,93 e 3,47).

O período de espera do segundo dos três campeonatos australianos do circuito decorre até 09 de abril.

Na sua primeira prova como integrante da elite, Frederico Morais foi derrotado pelo norte-americano Kelly Slater, 11 vezes campeão do mundo, na terceira eliminatória, depois de ter batido o brasileiro Filipe Toledo e o australiano Adrian Buchan, na primeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.