Frederico Morais entra a ganhar no mundial de surf

O português esteve em grande ao relegar para a repescagem o brasileiro Filipe Toledo e ao australiano Adrian Buchan na Quiksilver Pro Gold Coast na Austrália

O português Frederico Morais qualificou-se na madrugada desta quinta-feira para a terceira ronda do Quiksilver Pro Gold Coast, na Austrália, da primeira etapa do circuito mundial de surf, impondo-se ao brasileiro Filipe Toledo e ao australiano Adrian Buchan.

O surfista cascalense venceu o 10.º heat, com 15,70 pontos (8,73 e 6,97), relegando para a repescagem Toledo, 10.º do circuito em 2016, e Buchan, 14.º, que somaram 15,10 (7,60 e 7,50) e 13,43 (7,43 e 6,00), respetivamente.

"Estou muito feliz! Sabia que ia ser difícil, o Filipe tem estado a surfar muito bem e o mar estava instável, mas concentrei-me em mim e no meu surf e, quando pude tentar a última onda, sabia que havia pouco tempo, cerca de um minuto, e tive de arriscar, era a última hipótese, e felizmente consegui", afirmou o português, após se ter tornado no único dos rookies vencer a primeira eliminatória.

Kikas cumpre na Austrália o primeiro campeonato como integrante do circuito mundial, depois de ter terminado o circuito de qualificação no terceiro lugar e já ter disputado quatro campeonatos com a elite, sempre como wild-card.

O havaiano John John Florence, detentor do título mundial, o sul-africano Jordy Smith, o norte-americano Kolohe Andino, os australianos Mick Fanning, Matt Wilkinson, Julian Wilson e Joel Parkinson e os brasileiros Jadson André e Gabriel Medina também avançaram diretamente para a terceira ronda, enquanto o norte-americano Kelly Slater, 11 vezes campeão do mundo, foi relegado para a segunda ronda, de repescagem.

O período de espera do Quiksilver Pro Gold Coast, a primeira das 11 etapas do circuito, decorre até 25 de março.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.