Francisco J. Marques reage a Luís Bernardo: "É mentira"

Diretor de comunicação portista nega acusação de vínculo ao FC Porto enquanto ainda trabalhava como jornalista

O diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, negou hoje que tivesse algum vínculo contratual com o clube enquanto exerceu as funções de editor do Desporto da Agência Lusa. "É falso! E surpreende-me que um profissional experiente e principescamente pago alinhe nestas mentiras", disse Francisco J. Marques, em declarações à Agência Lusa.

A acusação foi hoje feita pelo seu homólogo do Benfica, Luís Bernardo, que afirmou que Francisco J. Marques recebia uma avença do FC Porto enquanto foi jornalista da Agência Lusa entre 2008 e 2011, durante uma entrevista à BTV, na qual foi o rosto do posicionamento do clube da Luz sobre o caso dos 'e-mails' que está a abalar o futebol português.

Francisco J. Marques limitou-se a desmentir a acusação de que foi alvo, escusando-se a tecer qualquer outro comentário sobre o conteúdo da entrevista deste à BTV, na qual acusou o FC Porto de "crime económico" e revelou a intenção do Benfica em pedir a reabertura do famoso processo 'Apito Dourado'.

O polémico caso dos 'e-mails' foi desencadeado pelo FC Porto, através do seu diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, que divulgou há cerca de duas semanas no programa "Universo Porto", do Porto Canal, mensagens de correio eletrónico alegadamente trocadas entre o diretor de conteúdos da BTV, Pedro Guerra, e o ex-árbitro Adão Mendes.

Na última terça-feira, o responsável portista, novamente no mesmo programa, revelou mensagens de correio eletrónico trocadas entre o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e o antigo presidente da Liga de clubes Mário Figueiredo, que assegurava "estar sempre do seu lado", assim como emails recebidos e enviados pelo assessor jurídico da SAD do Benfica, Paulo Gonçalves, com o mesmo Adão Mendes e com o ex-delegado da Liga, Nuno Cabral, sobre situações envolvendo alguns árbitros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.