França-Argentina 40 anos depois. Neutralizar ou potenciar Messi?

A última vez que se defrontaram oficialmente foi no Mundial78. O número 10 argentino foi o tema das conferências. Deschamps diz que é um "prodígio"; Sampaoli um "farol"

O último jogo oficial entra a França e a Argentina aconteceu há 40 anos. No Mundial 1978, no Monumental de Buenos Aires, as duas seleções defrontaram-se na fase de grupos e os sul-americanos venceram por 2-1, golos de Passarella e Luque (Platini marcou para os gauleses), numa constelação de estrelas sem Maradona e orientada por Menotti. Os gauleses acabaram por cair logo nesta fase e a Argentina sagrar-se-ia campeã do Mundo.

Hoje voltam a defrontar-se (15.00), agora com os quartos de final do Mundial em ponto de mira. Frente a frente estará a seleção mais jovem presente nos oitavos (a França, média de idades de 25,5 anos) e a mais velha (Argentina, 29 anos). Messi está com 31 anos e 13 jogadores argentinos já ultrapassaram a casa dos 30 - o mais velho é o guarda-redes Caballero, 36 anos. Na França brilha o jovem avançado Mbappé, de apenas 19 anos, o mais novo ainda em prova.

Lionel Messi foi tema incontornável na conferência de imprensa de ontem do selecionador francês Didier Deschamps. "Messi é Messi. Podemos tentar anulá-lo, mas sabemos que quase do nada pode fazer a diferença. Temos de tentar limitar a sua influência na equipa. É um prodígio e temos de tomar cautelas", referiu.

Outro assunto abordado pelo técnico que como jogador se sagrou campeão do Mundo em 1998 foi o temperamento dos jogadores argentinos: "Poucos jogadores meus entendem espanhol, isso é um factor a nosso favor devido ao temperamento dos jogadores argentinos e ao apoio que vão ter das bancadas. São futebolistas lutadores e guerreiros. Mas acredito que não vão existir casos dentro do campo."

Se a França tem um plano para tentar neutralizar Messi, a Argentina tem outro para o "potenciar", garantiu ontem o selecionador Jorge Sampaoli, por entre muitos elogios ao número 10. "Tem uma genialidade tão grande e lê tão bem o jogo que por vezes é difícil estarmos à altura dele. É como um farol", referiu, não desmentindo que no jogo diante da Nigéria lhe pediu conselhos sobre se deveria colocar Kun Agüero em campo.

Sampaoli, que tem sido muito contestado pelas opções que tem tomado a nível tático e de escolha de jogadores, pediu aos seus críticos para esperarem pelo final do jogo com a França. "Serei muito bom ou muito mau consoante o que se passar. Serei um grande treinador se passarmos e muito mau se perdermos", atirou, garantindo que "a Argentina vai jogar com a faca entre os dentes" esta tarde diante da França. "Estamos muito confiantes até pela preparação que fizemos para este jogo. Amanhã [hoje] seremos uma fortaleza anímica e isso vai permitir-nos encarar a França de forma decidida e com muito coração."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.