FPF requer policiamento de todos os jogos até final da época

Fernando Gomes anunciou plano adicional de segurança para as equipas de arbitragem e demais agentes desportivos

O presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou esta terça-feira a implementação de um plano nacional de segurança adicional para as equipas de arbitragem das suas competições.

"A FPF decidiu, hoje, requerer, junto da Polícia de Segurança Pública e da Guarda Nacional Republicana, o policiamento de todos os jogos das competições Seniores e Juniores A organizadas pela Federação Portuguesa de Futebol, até ao final da temporada 2016/17. Com esta ação, a FPF acrescenta uma medida adicional de segurança para árbitros e demais agentes desportivos, permitindo assim a criação de um clima que permita a reflexão - sem alarme, sem populismo e sobretudo sem instrumentalização - de uma tema que é bem mais complexo e abrangente e de que ninguém se deve isentar de responsabilidades", anunciou o organismo, num comunicado de 11 pontos divulgado no site da FPF..

Também na página da federação, o presidente Fernando Gomes escreveu: "Este plano demonstra que estamos num caminho errado de crescimento de discursos públicos com níveis de irresponsabilidade difíceis de aceitar. Mas embora não me orgulhe desta decisão, entendo que ela é necessária e adequada.".

O dirigente federativo revelou, ainda, que a FPF vai propor à Assembleia da República "medidas legislativas que visem dar um sinal muito claro de que comportamentos antidesportivos são exemplarmente tratados em Portugal", à semelhança do que já fez quanto à lei da Corrupção no Fenómeno Desportivo.

"Para essa tarefa queremos acreditar que contaremos com o apoio do Governo, dos partidos políticos e dos tribunais", concluiu Fernando Gomes.

Esta posição da FPF surge dois dias depois da agressão de que foi vítima o árbitro do jogo Rio Tinto-Canelas, da Divisão de Elite da da Associação de Futebol do Porto, José Rodrigues, por parte de um jogador da equipa visitante, Marco Gonçalves, que é membro dos Superdragões, claque do FC Porto.

O jogador em causa atingiu o árbitro com uma joelhada na cara aos dois minutos de jogo, na sequência do cartão vermelho direto que o juiz lhe exibiu por ter agredido um adversário.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.