FPF concorda com o alargamento para 48 seleções

Federação recorda que apoiou a candidatura de Gianni Infantino à FIFA e que o alargamento fazia parte do programa

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) concorda com o alargamento do Campeonato do Mundo para 48 seleções, decidido hoje pela FIFA, a partir da edição de 2026, disse à agência Lusa fonte do organismo.

"Como foi conhecido, a FPF apoiou as candidaturas de Luís Figo e Gianni Infantino à presidência da FIFA. Desde o início, estas duas candidaturas propunham o aumento do número de seleções no Mundial, por isso, é natural que a FPF esteja de acordo com a decisão de hoje", afirmou a mesma fonte.

O Conselho da FIFA, órgão que substituiu o Comité Executivo, aprovou hoje, por unanimidade, o alargamento da fase final Mundial de futebol, a partir de 2026, de 32 para 48 seleções, mantendo o número de dias de competição e de jogos para cada formação.

"O nosso apoio parte igualmente da verificação que o número de jogos que os jogadores são chamados a fazer não vai sofrer qualquer aumento, como consta da proposta, uma vez que qualquer seleção, para se tornar campeã do mundo, vai disputar o mesmo número de encontros do último Mundial", vincou a fonte da FPF.

O Mundial de 2026 vai contar com 16 grupos, de três equipas cada, com as duas primeiras a classificarem-se para a fase seguinte, entrando então num sistema de eliminatórias a partir dos 16 avos de final.

Com este novo formato, o Mundial passará dos atuais 64 jogos para 80, mas continuará a disputar-se durante 32 dias, como sucede atualmente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.