FPF assina parceria com empresa para combate à viciação de resultados

"É uma mensagem para todos os que acreditam que podem utilizar as competições da FPF para fazer batota", diz o presidente Fernando Gomes

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou hoje a assinatura de uma parceria com a empresa Sportradar, para que esta passe a monitorizar, a partir de janeiro de 2017, as competições não profissionais de futebol sujeitas a aposta.

Esta parceria, exclusiva para Portugal e renovável anualmente, visa reforçar, através de um sistema de deteção de fraudes utilizado pela Sportradar, o combate à viciação de resultados, cuja importância o presidente da FPF sublinhou em declarações ao 'site' do organismo a que preside: "É uma ameaça para o desporto em geral e para o futebol em particular. Em maio tive a oportunidade de chamar a atenção para este problema. Tratando-se de um fenómeno à escala mundial, não devemos partir do princípio que Portugal está imune."

A propósito, Fernando Gomes lembrou que a FPF entregou na Assembleia da República um projeto-lei que visa alterar o quadro penal para os casos de corrupção no desporto e que assinou um protocolo com o Sindicato dos Jogadores para investir na prevenção junto de jogadores, treinadores e dirigentes.

Para o presidente federativo, esta parceria com a Sportradar é "uma mensagem muito clara para todos os que acreditam que podem utilizar as competições da FPF para fazer batota".

A Sportradar é a empresa líder mundial em serviços de integridade aplicados ao desporto e os sistemas de que dispõe já receberam diversos prémios, mantém parcerias com diversas organizações internacionais, entre as quais a UEFA, a AFC (Confederação Asiática de Futebol), a 'World Rugby', a ICC (Câmara Internacional de Comércio), a NBA e a NHL (Liga Nacional de Hóquei), e monitoriza cerca de 230 competições de futebol em todo o mundo.

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.