FPF assina parceria com empresa para combate à viciação de resultados

"É uma mensagem para todos os que acreditam que podem utilizar as competições da FPF para fazer batota", diz o presidente Fernando Gomes

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou hoje a assinatura de uma parceria com a empresa Sportradar, para que esta passe a monitorizar, a partir de janeiro de 2017, as competições não profissionais de futebol sujeitas a aposta.

Esta parceria, exclusiva para Portugal e renovável anualmente, visa reforçar, através de um sistema de deteção de fraudes utilizado pela Sportradar, o combate à viciação de resultados, cuja importância o presidente da FPF sublinhou em declarações ao 'site' do organismo a que preside: "É uma ameaça para o desporto em geral e para o futebol em particular. Em maio tive a oportunidade de chamar a atenção para este problema. Tratando-se de um fenómeno à escala mundial, não devemos partir do princípio que Portugal está imune."

A propósito, Fernando Gomes lembrou que a FPF entregou na Assembleia da República um projeto-lei que visa alterar o quadro penal para os casos de corrupção no desporto e que assinou um protocolo com o Sindicato dos Jogadores para investir na prevenção junto de jogadores, treinadores e dirigentes.

Para o presidente federativo, esta parceria com a Sportradar é "uma mensagem muito clara para todos os que acreditam que podem utilizar as competições da FPF para fazer batota".

A Sportradar é a empresa líder mundial em serviços de integridade aplicados ao desporto e os sistemas de que dispõe já receberam diversos prémios, mantém parcerias com diversas organizações internacionais, entre as quais a UEFA, a AFC (Confederação Asiática de Futebol), a 'World Rugby', a ICC (Câmara Internacional de Comércio), a NBA e a NHL (Liga Nacional de Hóquei), e monitoriza cerca de 230 competições de futebol em todo o mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.