Fisco espanhol rejeita proposta de Ronaldo e quer 28 milhões

Português tinha oferecido pagamento de 14 milhões de euros no caso da alegada fraude fiscal

O Fisco espanhol não aceitou o acordo proposto por Cristiano Ronaldo, que se oferecia para pagar 14 milhões de euros e reconhecer ter cometido fraude fiscal, a troco de uma pena inferior a dois anos de prisão - o que significaria uma pena suspensa, dado a falta de antecedentes do português.

O advogado que defende o Estado espanhol e a representante do Fisco manifestaram a sua oposição à proposta apresentada pela equipa jurídica de CR7 e pedem que este assuma a totalidade da fraude: 14,7 milhões de euros, mais juros, multas e custas.

Segundo o jornal AS, se o jogador não aceitar fazer esse pagamento até dia 15, em que Portugal defronta a Espanha no arranque do mundial de futebol, deverá mesmo enfrentar um tribunal penal para responder pelo delito de fraude fiscal. Aí, Ronaldo arrisca uma petição de oito anos de prisão.

Este é um dos temas que têm provocado o mal-estar de Cristiano Ronaldo em Madrid, com o AS a escrever que o jogador gostava de ter visto o Real Madrid a assumir o pagamento reclamado pelo Fisco para sanar a situação - tal como o Barcelona fez em relação a Messi -, oferecendo-lhe essa quantidade como prémio de assinatura de um novo contrato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.