Fisco espanhol rejeita proposta de Ronaldo e quer 28 milhões

Português tinha oferecido pagamento de 14 milhões de euros no caso da alegada fraude fiscal

O Fisco espanhol não aceitou o acordo proposto por Cristiano Ronaldo, que se oferecia para pagar 14 milhões de euros e reconhecer ter cometido fraude fiscal, a troco de uma pena inferior a dois anos de prisão - o que significaria uma pena suspensa, dado a falta de antecedentes do português.

O advogado que defende o Estado espanhol e a representante do Fisco manifestaram a sua oposição à proposta apresentada pela equipa jurídica de CR7 e pedem que este assuma a totalidade da fraude: 14,7 milhões de euros, mais juros, multas e custas.

Segundo o jornal AS, se o jogador não aceitar fazer esse pagamento até dia 15, em que Portugal defronta a Espanha no arranque do mundial de futebol, deverá mesmo enfrentar um tribunal penal para responder pelo delito de fraude fiscal. Aí, Ronaldo arrisca uma petição de oito anos de prisão.

Este é um dos temas que têm provocado o mal-estar de Cristiano Ronaldo em Madrid, com o AS a escrever que o jogador gostava de ter visto o Real Madrid a assumir o pagamento reclamado pelo Fisco para sanar a situação - tal como o Barcelona fez em relação a Messi -, oferecendo-lhe essa quantidade como prémio de assinatura de um novo contrato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.