Fisco espanhol rejeita proposta de Ronaldo e quer 28 milhões

Português tinha oferecido pagamento de 14 milhões de euros no caso da alegada fraude fiscal

O Fisco espanhol não aceitou o acordo proposto por Cristiano Ronaldo, que se oferecia para pagar 14 milhões de euros e reconhecer ter cometido fraude fiscal, a troco de uma pena inferior a dois anos de prisão - o que significaria uma pena suspensa, dado a falta de antecedentes do português.

O advogado que defende o Estado espanhol e a representante do Fisco manifestaram a sua oposição à proposta apresentada pela equipa jurídica de CR7 e pedem que este assuma a totalidade da fraude: 14,7 milhões de euros, mais juros, multas e custas.

Segundo o jornal AS, se o jogador não aceitar fazer esse pagamento até dia 15, em que Portugal defronta a Espanha no arranque do mundial de futebol, deverá mesmo enfrentar um tribunal penal para responder pelo delito de fraude fiscal. Aí, Ronaldo arrisca uma petição de oito anos de prisão.

Este é um dos temas que têm provocado o mal-estar de Cristiano Ronaldo em Madrid, com o AS a escrever que o jogador gostava de ter visto o Real Madrid a assumir o pagamento reclamado pelo Fisco para sanar a situação - tal como o Barcelona fez em relação a Messi -, oferecendo-lhe essa quantidade como prémio de assinatura de um novo contrato.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.