Sp. Braga conquista a Taça, 50 anos depois

Um pontapé de bicicleta de André Silva, no minuto 90, forçou o prolongamento, mas nos penáltis foi o Sp. Braga a sorrir

O Sporting de Braga conquistou a segunda Taça de Portugal da sua história, a primeira dos últimos 50 anos, ao derrotar o FC Porto na final, no desempate por penáltis (4-2), depois de se ter deixado empatar no final do tempo regulamentar (2-2).

Aproveitando grandes erros de Helton, Iván Marcano e Chidozie, o Sp. Braga chegou a estar a vencer por 2-0, com golos de Rui Fonte (12') e Josué (58'), jogador emprestado pelo FC Porto.

No entanto, André Silva forçou o prolongamento: primeiro reduziu, aos 61 minutos, e já em tempo de "descontos" empatou com um magnífico pontapé de bicicleta.

O FC Porto esteve sempre mais perto da vitória - André Silva teve o 3-2 nos pés aos 120 minutos -, e o Sp. Braga limitou-se a fazer "anti-jogo" durante grande parte da partida, mas os arsenalistas aguentaram até aos penáltis. Aí brilhou Marafona, ao defender os remates de Héctor Herrera e Maxi Pereira, enquanto Helton não defendeu nenhum penálti.

Filme do jogo:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.