Filipe Palmeiro: " Quando um amigo está naquela situação um aperto de mão ajuda bastante"

Navegador do chileno Boris Garafulic é um dos seis portugueses que iniciaram o Dakar2018, em segundo plano. Palmeiro falou ao DN desde a América do Sul, depois de correr mundo numa fotografia, que mostra o momento em que ajudou Nani Roma, após o acidente do campeão do Dakar (2004 e 2014).

Correu Mundo numa fotografia do Dakar, onde aparece a dar assistência a Nani Roma, após o acidente. Viu a foto? Como foi esse momento?

Não é fácil explicar a foto. Todos nós sabemos o risco que corremos, mas quando um amigo está naquela situação um aperto de mão ajuda bastante! Este Dakar não está a ser fácil e já ouve vários acidentes. No início estive também com o Pedro Velosa que também teve que ser evacuado de helicóptero para o hospital!

Como é que um português acaba a ser navegador de um chileno (Boris Garafulic) no Dakar2018?

Por indicação da equipa, são eles que decidem com quem devo correr.

O que faz um navegador e como se navega no Dakar?

Um navegador tem que preparar o melhor possível todas as etapas o quanto antes e com a pouca informação que a organização nos dá. O dia-a-dia da corrida, que normalmente será de 6 a 8 horas de trabalho na preparação do road Book. Grande parte da navegação é através de rumos e distâncias que nos levará a um ponto, que confirma que estamos corretos por isso temos que cumprir as indicações do road book porque só a 800m do ponto confirmamos que estamos no local correto.

O trabalho do navegador já é valorizado ou ainda é visto como secundário?

Penso que no Dakar sempre foi mais valorizado que noutro tipo de provas porque aqui o navegador pode marcar toda a diferença.

No caso do Filipe já ajudou muitos pilotos a conseguir a melhor classificação de sempre

Sim já aconteceu com alguns!

Como está a correr este Dakar? E que ambições tem a equipa?

Até agora tem sido muito difícil, as dunas do Peru pregaram algumas partidas e houve muitos acidentes. As ambições da equipa seriam tentar lutar pela vitória, mas este ano vai ser difícil! Chegar ao fim é sempre uma vitória chegar ao fim.

Qual foi a história mais caricata que viveu no Dakar?

Já são algumas, mas provavelmente uma das mais caricatas foi em 2011, com argentino Orlando Terranova, quando capotamos na 7 etapa e eu fiquei junto ao carro. Como a assistência não apareceu decidi pôr-me a caminho pelo meio do sal, do deserto do Atacama, sozinho e já de noite só se ouvia o estalar do sal com a diferença de temperatura, o que tornou a coisa bastante assustadora! Consegui chegar a uma estrada e apanhar uma boleia num camião que transportava sal depois com um camião do Dakar e passadas 17 horas lá consegui chegar ao acampamento!

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.