Filha do atleta olímpico Tyson Gay morta em tiroteio no Kentucky

A filha Trinity Gay planeava seguir os passos do pai e era uma promissora atleta

A filha do atleta olímpico Tyson Gay foi morta num tiroteio no estado norte-americano do Kentucky, na madrugada deste domingo.

A adolescente de 15 anos foi atingida num troca de tiros entre dois carros, perto de um restaurante em Lexington, segundo informações da polícia, que diz Trinity não estava em nenhum dos veículos. Foi levada de emergência para o hospital, onde acabou por morrer.

"No domingo, por volta de 04:00 horas, a polícia foi até o estacionamento do restaurante 'Cook Out', onde os tiros foram disparados", referem, em comunicado, as autoridades de Lexington. Testemunhas disseram que os tiros foram trocados entre dois veículos, um Dodge Charger cinza e um carro desportivo escuro com vidros fumados.

Tyson Gay, de 34 anos, é um velocista norte-americano, o segundo mais rápido do mundo nos 100 metros a seguir a Usain Bolt, com a terceira melhor marca de sempre. Não tem, no entanto, nenhuma medalha olímpica.

A filha Trinity Gay planeava seguir os passos do pai e era uma promissora atleta, em competições dos 100 e 200 metros.

Tyson Gay, que é natural de Lexington, confirmou a morte da filha a uma televisão local. "Ela não resistiu. Estou tão confuso. Esteve aqui na semana passada nas férias de outono. É de loucos. Não tenho ideia do que aconteceu", disse o atleta.

A federação norte-americana de atletismo apresentou as suas condolências a Tyson Gay e à família, via rede social Twitter, lamentando a "trágica e incompreensível" morte de Trinity Gay.

Segundo as autoridades norte-americanas, dezenas de milhares de pessoas são feridas ou mortas por tiros de armas de fogo, todos os anos - em 2010, por exemplo, houve 105 mil vítimas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.