Infantino anuncia uma verdadeira revolução nas transferências

"Estamos a trabalhar numa verdadeira revolução no sistema de transferência de jogadores, para acabar com a imagem feia do que ocorre nas transferências", prometeu

A FIFA vai fazer uma "verdadeira revolução" no sistema de transferência de futebolistas, anunciou hoje o presidente Gianni Infantino, na abertura do 68.º Congresso do organismo, em Moscovo.

"Estamos a trabalhar numa verdadeira revolução no sistema de transferência de jogadores, para acabar com a imagem feia do que ocorre nas transferências. Temos de proteger os jogadores e os clubes que forma jogadores e temos de fazê-lo em todo o mundo, porque se não o fizermos vai acabar-se a formação de talentos", disse o suíço.

Na véspera do início do Mundial2018, na Rússia, Infantino definiu a FIFA como "uma organização moderna" e destacou a "coragem" do organismo de usar no torneio o videoárbitro, um método "benéfico para o futebol".

"Em pouco segundos, todas as pessoas em casa e nos estádios sabem se foi cometido um erro grave. Nessa situação o único que não sabia que tinha cometido um erro era o árbitro. Chegou o momento de mudar essa situação", afirmou.

À frente da FIFA desde 26 de fevereiro de 2016, para substituir Joseph Blatter, Infantino considerou ter conseguido melhorar a condição económica do organismo, apesar da polémica de corrupção que afetou o organismo antes da sua chegada.

O líder da FIFA considerou que transformou uma "organização clinicamente morta" numa "viva e bem de saúde", olhando para o futuro "cheio de alegria e paixão".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.