FIFA abre processo disciplinar contra presidente da Federação Palestiniana

Argentina cancelou uma partida frente à seleção de Israel no início de junho após vários protestos de grupos palestinianos

O presidente da Federação Palestiniana de futebol vai enfrentar um processo disciplinar da FIFA por incitar os adeptos do país a queimar fotografias de Lionel Messi caso a Argentina disputasse um jogo de preparação para o Mundial 2018 em Jerusalém.

A FIFA informou que instaurou um processo disciplinar contra Jibril Rajoub por causa dos comentários "amplamente divulgados na comunicação social".

A Argentina cancelou uma partida frente à seleção de Israel no início deste mês, após vários protestos de grupos palestinianos.

Rajoub havia pedido aos adeptos árabes e muçulmanos para queimar fotografias e camisolas de Messi, estrela da Argentina e dos espanhóis do FC Barcelona, caso ele jogasse.

A FIFA ainda não anunciou a data do julgamento.

A seleção Argentina vai estrear-se no Mundial 2018 frente à Islândia, em 16 de junho, às 14:00, no estádio do Spartak, em Moscovo.

Além dos islandeses, os 'albicelestes' defrontam a Croácia em 21 de junho, em Novgorod, e a Nigéria no dia 26, em São Petersburgo, nos restantes jogos do Grupo D do Campeonato do Mundo, que arranca em 14 de junho e termina em 15 de julho.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.