Fernando Santos: "Tenho os meus jogadores a chorar"

Portugal perde com o Uruguai e é eliminado do Mundial de futebol.

Após o final do jogo, o selecionador, Fernando Santos, considerou que Portugal fez o suficiente para sair deste encontro dos oitavos de final com outro resultado e assumiu a tristeza pela eliminação.

"Não me parece nada justo. Portugal fez o suficiente para ter outro resultado, mas às vezes não acontece. Entrámos bem no jogo, conseguimos criar oportunidades mas não marcámos. O Uruguai foi à nossa baliza uma vez e marcou. Faltou-nos alguma presença na área na primeira parte, pus o Bernardo Silva mais dentro para termos mais bola. Na segunda parte, a equipa foi mais dominadora, fizemos o golo que era o mais difícil. Eles foram lá mais uma vez e marcaram. A equipa tentou, os jogadores lutaram. Estamos todos muito tristes, mas o futebol é isto", analisou o técnico, em declarações à RTP.

Mais tarde, e depois de passar pelo balneário, Fernando Santos voltou a falar, desta feita à Sport TV, e referiu que tinha o balneário desfeito com a eliminação: "Em primeiro lugar queria agradecer ao povo português, sei que as praças estiveram cheias um pouco por todo o país, e as pessoas tiveram de mãos dadas. Tenho os meus jogadores a chorar, queríamos dar uma alegria grande aos portugueses, os jogadores queriam muito. Eu acho que eles fizeram uma segunda parte fantástica, com entrega, garra, determinação, mas o futebol é isto. Não vale a pena chorar sobre o leite derramado"

Portugal perdeu com o Uruguai por 2-1. Cavani (7' e 62') esteve em destaque ao apontar os dois golos da formação sul-americana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.