Fernando Santos é especialista em jogos de mata-mata

O selecionador nacional só foi eliminado uma vez e após desempate por penáltis. CR7 à procura do primeiro golo

É tudo ou nada. O Mundial 2018 começa hoje a fase a eliminar com Portugal a enfrentar o Uruguai, em Sochi, às 19.00 horas. É a fase do mata-mata, expressão popularizada por Luiz Felipe Scolari para designar as eliminatórias de grandes competições de seleções.

Será o sétimo mata-mata de Fernando Santos à frente da equipa das quinas e o saldo é bastante positivo, pois nunca perdeu um jogo em 120 minutos e a única vez que foi eliminado foi no desempate por penáltis, com o Chile, nas meias-finais da Taça das Confederações, no ano passado, em Kazan, após um empate a zero no prolongamento. No currículo do engenheiro destacam-se os apuramentos contra Croácia, Polónia, País de Gales e França no Euro 2016, mas também com o México na partida de atribuição do terceiro lugar na Taça das Confederações.

Só que a imagem de marca de Fernando Santos nestes jogos é de muito sofrimento, pois só frente aos galeses o jogo foi resolvido nos 90 minutos, tendo três sido definidos no prolongamento - entre eles a final do Europeu com a França - e dois nos penáltis.

Ou seja, a avaliar pelo passado recente, existe uma alta probabilidade de não bastarem 90 minutos para ser conhecida a seleção que passará aos quartos-de-final. E se for Portugal a seguir em frente é certo que, depois do Uruguai, terá pela frente outro antigo campeão do Mundo, pois o adversário sairá do jogo França-Argentina, marcado para as 15.00 horas (SportTV1), em Kazan. E até nas meias-finais, se Portugal lá chegar, é previsível que o oponente seja o Brasil, a equipa com mais títulos mundiais no currículo (cinco).

Mas voltando à história do mata-mata, a seleção nacional disputou 23 ao longo de toda a sua história em fases finais de grandes competições, tendo um saldo positivo de 13 apuramentos e 10 eliminações. E nas quatro vezes que foi preciso recorrer ao prolongamento, Portugal venceu por três vezes e perdeu uma, enquanto no desempate por penáltis o saldo continua a ser favorável à equipa das quinas, mas apenas por 3-2.

Como curiosidade, refira-se que o primeiro mata-mata da seleção nacional foi com a Coreia do Norte, em 1966, que resultou numa histórica vitória por 5-3, com quatro golos de Eusébio, depois de os coreanos terem chegado aos 25 minutos a vencer por 3-0.

Ronaldo ainda sem golos

A partida com os uruguaios encerra um importante desafio para Cristiano Ronaldo, que não marcou nos quatro jogos (390 minutos) a eliminar em Campeonatos do Mundo. E é bom lembrar que CR7 tem quatro golos marcados na fase de grupos, que fazem dele um dos segundos melhores marcadores do Mundial 2018, estando a um golo do inglês Harry Kane. Sendo a Bota de Ouro um dos objetivos do número sete da seleção nacional para este torneio, é obrigatório não ficar em branco na partida com os uruguaios, que são a única seleção que ainda não sofreu qualquer golo na competição.

Nas fases finais dos Campeonatos da Europa, a influência de Cristiano Ronaldo nos nove jogos de mata-mata não foi muito significativa, pois apenas contabilizou três golos: em 2004 com a Holanda nas meias-finais; em 2012 com a Rep. Checa nos quartos-de-final e em 2016 com o País de Gales também nas meias-finais.

Bom registo com sul-americanos

O Uruguai será a segunda seleção sul-americana que Portugal vai defrontar em Campeonatos do Mundo. Até ao momento, apenas mediu forças o Brasil, por duas vezes, tendo vencido em 1966 por 3-1 e empatado 0-0 em 2010.

Noutras competições oficiais, Portugal contabiliza ainda um triunfo diante do Chile, por 4-2, nos Jogos Olímpicos de 1928, altura em que este torneio era disputado pelas seleções principais, e um empate 0-0 também frente aos chilenos na Taça das Confederações de 2017 - a equipa das quinas perdeu no desempate por penáltis (0-3).

Ler mais

Exclusivos