Fernando Pimenta conquista ouro em Montemor-o-Velho

Canoísta começou hoje o ciclo olímpico Tóquio2020 com a vitória em K1 1.000 na Taça do Mundo.

Sem os grandes rivais internacionais dos últimos anos em competição, Pimenta, quinto no Rio2016, impôs-se em 3.26,833 minutos, batendo o francês Maxime Beaumont por 1,930 segundos e esloveno Jost Zakrajsek por 3,275.

Pimenta vai competir ainda em K1 500 e 5.000.

Emanuel Silva e João Ribeiro foram quartos em K2 1.000, o mesmo lugar que obtiveram no Rio2016, no que foi o melhor desempenho da canoagem lusa no Brasil.

Hoje ficaram a escassas 55 milésimos do bronze conquistado pela Finlândia (Jeremy Hakala/Miika Nykanen), num pódio que teve Ucrânia (Vitaliy Tsurkan/Oleh Kukharyk) e Hungria (Dávid Tóth/Tamás Kulifai) como ouro e prata, respetivamente.

Teresa Portela foi quarta em K1 500 a 3,495 da neozelandesa Ryan Caitlin e a 870 milésimos do terceiro lugar, da húngara Krisztina Fazekas-zur, que ficou atrás da eslovena Spela Janic.

Em C1 1.000, Nuno Barros foi quarto, a quase cinco segundos do pódio, e Filipe Vieira sexto. Em C2 1000, o olímpico Hélder Silva e Huno Silva foram sétimos, a quase sete segundos do pódio, enquanto Bruno Afonso e Marco Apura chegaram no lugar imediato.

No setor feminino, Marta Pinto foi sétima em K1 1.000.

A Taça do Mundo de Montemor-o-Velho reúne cerca de 300 canoístas de 30 países, sendo que em 2016 Portugal conquistou oito medalhas nesta competição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.