Fernando Pimenta conquista ouro em Montemor-o-Velho

Canoísta começou hoje o ciclo olímpico Tóquio2020 com a vitória em K1 1.000 na Taça do Mundo.

Sem os grandes rivais internacionais dos últimos anos em competição, Pimenta, quinto no Rio2016, impôs-se em 3.26,833 minutos, batendo o francês Maxime Beaumont por 1,930 segundos e esloveno Jost Zakrajsek por 3,275.

Pimenta vai competir ainda em K1 500 e 5.000.

Emanuel Silva e João Ribeiro foram quartos em K2 1.000, o mesmo lugar que obtiveram no Rio2016, no que foi o melhor desempenho da canoagem lusa no Brasil.

Hoje ficaram a escassas 55 milésimos do bronze conquistado pela Finlândia (Jeremy Hakala/Miika Nykanen), num pódio que teve Ucrânia (Vitaliy Tsurkan/Oleh Kukharyk) e Hungria (Dávid Tóth/Tamás Kulifai) como ouro e prata, respetivamente.

Teresa Portela foi quarta em K1 500 a 3,495 da neozelandesa Ryan Caitlin e a 870 milésimos do terceiro lugar, da húngara Krisztina Fazekas-zur, que ficou atrás da eslovena Spela Janic.

Em C1 1.000, Nuno Barros foi quarto, a quase cinco segundos do pódio, e Filipe Vieira sexto. Em C2 1000, o olímpico Hélder Silva e Huno Silva foram sétimos, a quase sete segundos do pódio, enquanto Bruno Afonso e Marco Apura chegaram no lugar imediato.

No setor feminino, Marta Pinto foi sétima em K1 1.000.

A Taça do Mundo de Montemor-o-Velho reúne cerca de 300 canoístas de 30 países, sendo que em 2016 Portugal conquistou oito medalhas nesta competição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?