Fenerbahçe vai "tomar medidas legais" contra Vítor Pereira

Treinador do clube turco viajou para Portugal "devido a ameaças e a um ambiente tenso". Fenerbahçe diz que há violação do contrato

O Fenerbahçe anunciou hoje que vai "tomar medidas legais" contra Vítor Pereira, por considerar que o treinador português de futebol viajou para Portugal "como medida de pressão".

Em comunicado, o clube turco refere que Vítor Pereira "fez uma série de declarações inexplicáveis e inaceitáveis" à imprensa portuguesa para justificar a viagem a Portugal, que, segundo o emblema turco, "não correspondem à realidade".

"Além disso, Vítor Pereira e a sua equipa técnica não estiveram esta manhã no treino", refere ainda o Fenerbahçe.

Num comunicado publicado pelo diário desportivo Record, Vítor Pereira explicou que viajou para Portugal "devido a ameaças e a um ambiente tenso".

"Na sequência da derrota com o AS Monaco [na qualificação para a Liga dos Campeões], o Fenerbahçe decidiu impedir-me de exercer a minha função como treinador principal, não respeitando o meu contrato de trabalho", referiu o técnico no comunicado.

Desta forma, Vítor Pereira optou por voltar a Portugal "na expetativa de que o Fenerbahçe" volte a atribuir-lhe "a função de treinador principal".

"Os meus assistentes seguem o meu caminho pelas mesmas razões. Cabe ao Fenerbahçe tomar uma decisão", finalizou.

Para o clube, Vítor Pereira, com esta atitude, "violou claramente o contrato em vigor e isso é inaceitável", deixando a entender que poderá avançar para a rescisão de contrato.

Este texto da agência Lusa foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.