Federer bate Ronaldo como melhor desportista do ano

O futebolista português Cristiano Ronaldo falhou hoje a conquista do prémio de melhor desportista do ano dos Laureus, galardão ganho pelo tenista suíço Roger Federer, na cerimónia que decorreu no Mónaco.

Ronaldo foi nomeado pela quinta vez (2009, 2014, 2015 e 2017 e 2018), mas continua sem vencer o principal prémio dos Laureus, algo que nunca foi alcançado por um futebolista.

Além do capitão da seleção portuguesa, Federer bateu nomes como o fundista britânico Mo Farah, o ciclista britânico Chris Froome, o piloto britânico de Fórmula 1 Lewis Hamilton e o tenista espanhol Rafael Nadal.

O tenista suíço, que sucedeu ao jamaicano Usain Bolt, conquistou também o prémio para melhor regresso do ano.

Os prémios Laureus, conhecidos como os 'Óscares' do desporto, são atribuídos desde o ano 2000, tendo Lisboa acolhido a organização das edições de 2004 e 2005.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?