Federação quer formar dirigentes

"Até 2020, todos os clubes licenciados na FPF deverão ter um dirigente formado através deste memorando de entendimento. Este projeto já fazia parte do meu manifesto eleitoral", disse Fernando Gomes

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) apresentou esta terça-feira o projeto 'Portugal Football School', resultante de um memorando de entendimento e cooperação com as universidades portuguesas.

Na cerimónia realizada na Cidade do Futebol estiveram presentes Fernando Gomes, presidente da FPF, António Cunha, presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, Manuel Heitor, ministro da Ciência e Tecnologia e Ensino Superior, além de Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, que não discursou nem falou aos jornalistas.

"A FPF é a maior organização desportiva nacional, com cerca de 177 mil praticantes federados. Ao fim de 113 anos de vida, chegou a hora de a federação assumir a sua responsabilidade social", começou por afirmar Fernando Gomes.

De acordo com Gomes, a federação vai "ser um espaço aberto em que a federação e a escola poderão interagir".

"Até 2020, todos os clubes licenciados na FPF deverão ter um dirigente formado através deste memorando de entendimento. Este projeto já fazia parte do meu manifesto eleitoral com a designação de 'medida 43', fazia parte da minha candidatura e fico feliz por agora estar concretizado. Somo muito mais do que uma federação", adiantou o líder da FPF.

Fernando Gomes esteve acompanhado por outros agentes do futebol e figuras do desporto, como foram os casos de José Manuel Constantino (presidente do COP), Joaquim Evangelista (presidente do Sindicato de Jogadores) e Luciano Gonçalves (presidente da Associação dos Árbitros de Futebol).

Os detalhes do projeto foram explanados por André Seabra, diretor da 'Portugal Football Scholl'.

"Esta é uma unidade da federação que está em estreita colaboração com a oferta formativa existente nas universidades. Até agora, a formação tem estado centrada em dois vetores principais: treinadores e árbitros", constatou este responsável.

Segundo André Seabra, a oferta formativa vai estar integrada em oito subunidades: Treinadores, árbitros, dirigentes, jogadores, media e sociedade, saúde e performance, instalações desportivas e investigação e desenvolvimento.

"Este memorando envolve parcerias com diversas instituições de ensino superior. E também envolve ofertas de formação para jornalistas e comentadores desportivos, tal como vamos trabalhar em estreita colaboração com o Sindicato de Jogadores de Futebol", acrescentou.

António Cunha, presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, diz que este projeto não vai " partir do zero, mas de uma base profunda de trabalho".

"Quero partilhar convosco a satisfação que as universidades portuguesas sentem em assinar este protocolo. E quero cumprimentar a federação por esta ambição. Este projeto tem uma dimensão educativa e componente corporativa. E permite a atribuição de vários graus académicos por parte das universidades", sublinhou.

Já o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, saudou a FPF pela sua iniciativa formativa e salientou a necessidade de aprofundar o conhecimento científico na área do futebol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.