FC Porto conquistou Supertaça Europeia há 30 anos. Lembra-se dos golos da vitória?

Um golo de Rui Barros na Holanda e outro de Sousa nas Antes deram a vitória ao FC Porto

O FC Porto tornou-se há 30 anos no primeiro clube português a conquistar a Supertaça Europeia de futebol, confirmado com uma vitória em casa por 1-0 na segunda mão, graças a um golo de Sousa.

Em 13 de janeiro de 1988, os 'azuis e brancos' juntaram a Supertaça à Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1986/87, depois do triunfo na Holanda, em 24 de novembro de 1987, então com um tento de Rui Barros, aos cinco minutos.

"Era uma equipa vencedora. Foi crescendo com uma marca implementada ao longo dos anos anteriores, no sentido de procurar ter um grande respeito pelo nome do FC Porto em termos europeus", explicou à agência Lusa o antigo médio António Sousa, recordando um título que ainda é inédito entre clubes portugueses.

Para o denominado 'pé de canhão', erguer a Supertaça Europeia foi o corolário para uma geração 'azul e branca', que já tinha conquistado a Taça Intercontinental, em 13 de dezembro de 1987, frente aos uruguaios do Peñarol. "Felizmente tivemos a sorte de estar nas finais, na conquista dos títulos e de os vencer", disse Sousa, de 60 anos, que recorda "perfeitamente" os dois jogos com o Ajax, orientado, na altura, pelo emergente treinador holandês Johan Cruijff.

De acordo com Sousa, disputar pela primeira vez a Supertaça Europeia, "era um estímulo extremamente importante" para o FC Porto e para os jogadores, que, dadas as conquistas inéditas recentes, se sentiam imbatíveis e invencíveis. "Sabíamos que era a primeira e se calhar a ultima [Supertaça] em que estaríamos presentes. Num jogo tão importante, a motivação era excelente e o espírito foi sempre o melhor possível, para durante a competição sermos melhores do que o adversário", disse.

Sousa partilhou a conquista da Supertaça Europeia com Mlynarczyk, João Pinto, Lima Pereira, Geraldão, Inácio, Bandeirinha, André, Jaime Magalhães, Fernando Gomes e Rui Barros. Jorge Plácido e Semedo foram chamados a jogo nas Antas e na primeira mão participaram também Frasco e Quim.

O antigo médio recordou o golo marcado nas Antas, que sentenciou a eliminatória, como se fosse hoje: "foi num cruzamento à entrada da área, de bola parada. Um adversário tentou afastar, mas a bola caiu ligeiramente descaída para lado esquerdo e dei um 'tiro' rasteiro para o lado esquerdo de Menzo.

"Tínhamos uma mentalidade forte e a qualidade também imperava. Sabíamos daquilo que podíamos fazer, sempre com o máximo respeito pelo adversário. E, apesar de por vezes sentirmos que o adversário era superior, com a nossa maturidade, forma de estar e presença enquanto grupo, conseguíamos ultrapassar essas situações", referiu.

Ainda de acordo com Sousa, foi com esse sentido de "união e coesão muito forte" que o FC Porto fez história com a conquista de tudo o que podia conquistar, juntando o campeonato e a Taça de Portugal aos títulos internacionais.

O FC Porto sagrou-se campeão europeu com Artur Jorge como treinador, na final disputada com os alemães do Bayern Munique (2-1), em Viena, na Áustria, mas foi já com o croata Tomislav Ivic no banco que ergueu a Supertaça Europeia.

"Tinham métodos e mentalidades diferentes, mas o simbolismo e a escola [à FC Porto] estavam presentes num e noutro", disse Sousa, acrescentando que, além de os jogadores serem também os mesmos, "o clima e o ambiente que norteava a equipa era o de sempre".

De acordo com Sousa, "a equipa procurava jogar sempre melhor do que o adversário. O carisma que existia dentro da equipa era soberbo e talvez por isso é que o FC Porto teve a possibilidade de conseguir chegar a estas finais e vencê-las".

"Infelizmente não houve mais nenhuma. Esta [Supertaça Europeia] foi a primeira e a única e já foi há 30 anos. Mas é ótimo e maravilhoso poder estar a falar disso. É um sinal muito positivo", acrescentou António Sousa.

FC Barcelona e AC Milan, com cinco títulos, e Real Madrid, com quatro -- três dos quais nos últimos quatro anos -- são os clubes que mais vezes ergueram a Supertaça Europeia. O FC Porto disputou a competição noutras três ocasiões, mas saiu derrotado em 2003, 2004 e 2011, frente a AC Milan, Valência e FC Barcelona, respetivamente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.