Barcelona vence Valência e bate recorde de invencibilidade no campeonato

O clube catalão teve este sábado uma pequena consolação pela eliminação da Liga dos Campeões, ao bater o recorde de invencibilidade no campeonato espanhol, no qual reforçou a liderança com a vitória por 2-1 sobre o Valência.

A equipa catalã fixou o novo máximo da prova em 39 jogos seguidos sem perder (sete referentes à época passada e 32 da atual), superando a marca estabelecida pela Real Sociedad, que completou 38 partidas sem conhecer a derrota em 1980.

O avançado uruguaio Luis Suarez inaugurou o marcador para o Barcelona, aos 15 minutos, e o defesa francês Samuel Umtiti aumentou a vantagem já na segunda parte, aos 51, de pouco valendo o golo tardio do médio Daniel Parejo para o Valência, aos 86, de grande penalidade.

O brasileiro Philippe Coutinho também esteve em destaque, ao fazer as assistências para os dois golos da equipa anfitriã, depois de ter estado ausente na derrota por 3-0 em Roma - onde o FC Barcelona desbaratou a vantagem de 4-1 nos quartos de final da Champions -, por não estar inscrito.

O português Ruben Vezo foi totalista na defesa do Valência e o avançado Gonçalo Guedes também alinhou de início no jogo da 32.ª jornada, mas foi substituído pelo brasileiro Andreas Pereira na segunda parte, numa altura em que os visitantes perdiam por 2-0.

O FC Barcelona aumentou para 14 pontos a vantagem no comando sobre o Atlético de Madrid, segundo classificado, com menos um jogo, e para 17 sobre o Valência, que poderá ser ultrapassado na terceira posição pelo Real Madrid, caso o campeão se imponha no domingo no terreno do lanterna-vermelha Málaga.

O Sevilha, que também foi afastado da Liga dos Campeões nesta semana, pelos alemães do Bayern Munique, não foi além de um empate 2-2 na receção ao Villarreal -- depois de ter estado a perder por 2-0 -, mantendo-se na sétima posição, fora da zona de acesso às competições europeias da próxima época.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.