Eva zangou-se com Mourinho e não viu futebol durante um ano

"Foi um choque numa altura em que devia estar feliz, porque ia casar-me e ir de lua-de-mel", disse sobre a polémica

Eva Carneiro esteve no centro de uma polémica, que também envolveu José Mourinho, em 2015, quando deixou de fazer parte da equipa médica do Chelsea, equipa que o português orientava. O técnico não gostou de uma entrada da equipa médica em campo durante um encontro frente ao Swansea e foi criticada por Mourinho. Não só acabou por sair do clube, como o processo seguiu para os tribunais e o clube foi, inclusivamente, obrigado a pedir desculpas à médica.

Depois de uma saída polémica da equipa londrina, Eva Carneiro esteve sem ver jogos durante um ano. "Sinceramente, foi difícil ver um jogo de futebol durante um ano. Só vi a final da Liga dos Campeões [Real Madrid e Atlético Madrid]", afirmou ao francês L'Équipe.

Sobre toda a polémica, diz que lidou com tudo da "melhor maneira" que conseguiu. "Foi um choque numa altura em que devia estar feliz, porque ia casar-me e ir de lua-de-mel", acrescentou.

Revelou ainda que já teve várias ofertas para voltar ao futebol, mas que ainda não resolveu consumar esse regresso por opção própria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.