Portugal-Gabão na lista de jogos suspeitos de árbitro ganês irradiado

Jogo entre a equipa das quinas e o Gabão realizou-se a 14 de novembro de 2012 e o árbitro assinalou três grandes penalidades

A FIFA confirmou hoje a irradiação do árbitro ganês Joseph Lamptey, decidida pelo Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), reconhecendo um histórico de jogos combinados desde 2010, entre os quais o particular de Portugal no Gabão (2-2), em 2012.

Os investigadores da FIFA reconheceram que Lamptey tem "um historial de suspensões por fracos desempenhos", além de habitualmente assinalar mais grandes penalidades do que os outros árbitros africanos.

No jogo da equipa das 'quinas', disputado em Libreville, em 14 de novembro de 2012, o árbitro assinalou três grandes penalidades, duas a favor da seleção gabonesa, ambas convertidas por Madinda e Pocko, e uma de Portugal, que resultou no golo de Pizzi.

"O resultado acaba por ser justo, com alguns casos de arbitragem. Parece-me que os dois penáltis não existem, mas sabemos que, num jogo destes, são coisas que podem acontecer", disse, na altura, o selecionador português, Paulo Bento.

O 'amigável' de Portugal consta numa lista de seis jogos dirigidos por Lamptey e considerados suspeitos, entre os quais consta ainda a visita de Angola à República Democrática do Congo, em 26 de março de 2016, que terminou com a vitória dos anfitriões por 2-1, com uma grande penalidade assinalada para cada um dos lados.

A irradiação de Joseph Lamptey ocorreu na sequência do encontro de qualificação para o Mundial2018 entre África do Sul e Senegal, em 12 de novembro de 2016, que terminou com o triunfo sul-africano por 2-1. O Senegal venceu a repetição do encontro por 2-0 e assegurou a presença na Rússia.

"O TAS concluiu que Lamptey tomou intencionalmente duas decisões erradas com o único propósito de assegurar um número específico de golos marcados que assegurassem o sucesso de apostas avultadas", lê-se no comunicado da FIFA.

Os registos do árbitro ganês foram revelados pelo TAS, na justificação para a rejeição do recurso da sua suspensão decretada em 20 de março último, que o impede de exercer qualquer atividade ligada ao futebol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.