Egito de Salah chama guarda-redes de 45 anos

Essam El Hadary foi chamado pelo selecionador Héctor Cúper e pode tornar-se no mais velho de sempre a jogar um Campeonato do Mundo

Essam El Hadary, guarda-redes de 45 anos, integra a lista de 29 pré-convocados da seleção do Egito para o Mundial 2018. O jogador do Al Taawoun, da Arábia Saudita, poderá tornar-se no mais velho de sempre a jogar num Campeonato do Mundo,

Da lista do selecionador Héctor Cúper consta o nome da grande estrela do Liverpool, Mohamed Salah, mas também o médio Mohammed Elneny, do Arsenal, que contraiu uma grave lesão e que, por essa razão, se encontra em dúvida para o torneio que se inicia a 14 de junho.

Refira-se ainda que o bracarense Ahmed Hassan também está na lista de pré-convocados. Shikabala, ex-jogador do Sporting, também foi chamado.

Eis todos os jogadores chamados:

Guarda-redes: Essam El Hadary (Al Taawoun, Arábia Saudita), Mohamed El-Shennawy (Al Ahly), Sherif Ekramy (Al Ahly), Mohamed Awad (Ismaily);

Defesas: Ahmed Fathi (Al Ahly), Saad Samir (Al Ahly), Ayman Ashraf (Al Ahly), Mahmoud Hamdy (Zamalek), Mohamed Abdel-Shafy (Al Fateh, Arábia Saudita) Ahmed Hegazi (West Bromwich, Inglaterra), Ali Gabr (West Bromwich, Inglaterra), Ahmed Elmohamady (Aston Villa, Inglaterra), Karim Hafez (RC Lens, França), Omar Gaber (Los Angeles FC, EUA), Amro Tarek (Orlando City, EUA);

Médios: Tarek Hamed (Zamalek), Mahmoud Abdel Aziz (Zamalek), Shikabala (Al Raed, Arábia Saudita), Abdallah Said (KuPS, Finlândia), Sam Morsy (Wigan, Inglaterra), Mohamed Elneny (Arsenal, Inglaterra), Kahraba (Al Ittihad, Arábia Saudita), Ramadan Sobhi (Stoke City, Inglaterra), Trezeguet (Kasimpasa, Turquia), Amr Warda (Atromitos, Grécia);

Avançados: Marwan Mohsen (Al Ahly), Ahmed Gomaa (Al Masry), Ahmed Hassan (Sp. Braga, Portugal), Mohamed Salah (Liverpool, Inglaterra).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.