Do pânico às meias-finais com um penálti perfeito de CR7

A Juventus chegou aos 3-0 e igualou a eliminatória. Grande penalidade nos descontos evitou escândalo histórico

Uma noite que teve quase contornos de drama e momentos de pânico acabou em festa para o Real Madrid, com um golo de penálti de Cristiano Ronaldo na compensação a evitar que a eliminatória com a Juventus fosse para prolongamento. Numa reviravolta histórica (nunca o Real tinha estado a perder por 3-0 em casa em jogos das provas europeias), a Juventus chegou ao terceiro golo aos 61 minutos por Matuidi (antes marcou Mandzukic por duas vezes), igualou a eliminatória e gelou as bancadas do Bernabéu.

Quando já todos esperavam pelos 30 minutos do prolongamento, deu-se o golpe de teatro. Aos 90"+3, o árbitro assinalou grande penalidade a favor do Real Madrid, por falta de Benatia (derrube com o braço direito) sobre Lucas Vázquez. Revoltados, os jogadores da Juventus viraram-se contra o árbitro Michael Oliver. Buffon saiu disparado da baliza e protestou de uma forma nunca antes vista, recebendo logo ordem de expulsão (a 1.ª na Champions e a quarta de toda a carreira), naquele que poderá ter sido o seu último jogo na Liga dos Campeões.

Minutos depois, aos 90"+7, com os ânimos já mais calmos, Ronaldo não facilitou. Cobrou com força e colocado o penálti perfeito para o lado esquerdo da baliza de Szczesny e marcou o golo que permitiu ao Real Madrid apurar-se para as meias-finais da Liga dos Campeões. Nos festejos, tirou a camisola e exibiu o seu físico para as bancadas, o que lhe custou um cartão amarelo.

"Foi um jogo sofrido e que isto nos sirva de lição. No futebol nunca nada está decidido. Mas é justo termos passado a eliminatória e estamos contentes por estarmos nas meias-finais. O penálti? Não entendo os protestos, se o não fosse marcado o Lucas fazia golo. Foi derrubado por trás", referiu CR7 no final, admitindo que estava tranquilo pois "sabia que o penálti era decisivo".

CR7 marcou o seu 11.º golo consecutivo na Champions e o 15.º na presente edição da competição no dia em que completou 150 jogos na prova milionária. Já o Real Madrid apurou-se pela oitava vez consecutiva para as meias-finais da Liga dos Campeões, prova que já venceu 12 vezes, incluindo as duas últimas.

"Sofremos e cometemos erros, Retificámos ao intervalo com as entradas de Asensio e Lucas Vázquez (para os lugares de Bale e Casemiro) a darem mais profundidade ao nosso jogo. No conjunto das duas mãos fomos uns justos vencedores. Em relação ao penálti, disseram-me que foi bem marcado e o Cristiano nunca falha", referiu Zidane.

Igualmente nas meias-finais está o Bayern de Munique. Apesar do empate a zero na receção ao Sevilha, valeu aos já campeões alemães o 2-1 alcançado na semana passada em Espanha para garantir a sexta meia-final da Champions nas últimas sete épocas.

Os feitos da Roma e do Liverpool

Além de Real Madrid e Bayern Munique, equipas mais habituadas a estar nesta fase adiantada da Liga dos Campeões, as meias-finais da prova milionária (o sorteio é amanhã) vão contar ainda com a Roma e o Liverpool, que eliminaram anteontem o Barcelona e o Manchester City, respetivamente.

A Roma tornou-se a 12.ª equipa a conseguir virar um resultado desfavorável em três na Taça/Liga dos Campeões - a última tinha sido o Dep. Coruña, em 2004, que venceu o AC Milan por 4-0 depois de ter perdido por 4-1 em San Siro.

Os romanos voltam a marcar presença numa semifinal 34 anos depois, após a sensacional vitória sobre os blaugrana por 3-0 (tinham perdido por 4-1 na primeira mão).

Na época 1983-84 chegaram à final da então denominada Taça dos Campeões Europeus (numa equipa onde atuavam os brasileiros Falcão e Toninho Cerezo e o italiano Bruno Conti), disputada no seu estádio, mas perderam para o Liverpool.

O jogo terminou empatado a um golo, mas os ingleses ganharam no desempate por grandes penalidades (4-2). A AS Roma, que venceu três vezes o campeonato italiano (1941-42, 1982-83 e 2000-01), tem um único título europeu - a já extinta Taça das Cidades com Feiras, na temporada 1960-61.

Já o Liverpool, apesar de deter cinco Ligas/Taças dos Campeões (1976-77, 1977-78, 1980-81, 1983--84 e 2004-05), não chegava às meias-finais da prova há dez anos. Na temporada 2007-08, então treinados por Rafael Benítez, os ingleses acabaram por ser afastados pelo Chelsea - perderam por 4-3 em Stamford Bridge e empataram a um golo em Anfield Road.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.