Dias Ferreira e José Guilherme Aguiar: a previsão para o jogo de hoje

O que esperam estes conhecidos adeptos para o confronto desta quarta-feira em Alvalade

É hoje à noite (20.30, Sport TV1) que Sporting e FC Porto disputam um lugar na final da Taça de Portugal de futebol. A partida, no Estádio José Alvalade, é o quinto round entre os dois clubes esta temporada. Fomos ouvir as previsões para a partida desta quarta-feira.

SPORTING

Dias Ferreira, ex- dirigente do Sporting

"Que o Sporting ganhe por números suficientes e consiga chegar à final da Taça de Portugal. Considero que o Sporting está mais pressionado que o FC Porto para conquistar este troféu, na medida em que os portistas têm melhores perspetivas de ganhar o campeonato. Que os jogadores joguem o que sabem, que é muito, mas quanto aos aspetos táticos a utilizar nesta partida, deixo para o Jorge Jesus, que sabe muito do assunto, como aliás se tem provado."

FC PORTO

José Guilherme Aguiar, ex-dirigente do FC Porto

"Espero que seja um jogo bem disputado com duas equipas com a moral em alta e que querem atingir a final da Taça de Portugal que é importante para os dois clubes, mesmo para o FC Porto se for campeão. O Sporting está mais pressionado para chegar à final sobretudo se ficar no terceiro lugar no campeonato, que não correspoderá a nada. Espero que o FC Porto seja a equipa que tem sido: forte, resistente, unida, com grande raça e força de vencer. A vantagem de 1-0 poderá ser importante porque o Sporting estará preocupado em marcar e não sofrer, enquanto o FC Porto, mesmo sofrendo, basta-lhe marcar para obrigar o Sporting a ter de fazer dois golos... Eu diria que os primeiros 30 minutos do jogo serão muito importantes porque depois o lado emocional tomará conta dos jogadores."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.