Dias Ferreira e José Guilherme Aguiar: a previsão para o jogo de hoje

O que esperam estes conhecidos adeptos para o confronto desta quarta-feira em Alvalade

É hoje à noite (20.30, Sport TV1) que Sporting e FC Porto disputam um lugar na final da Taça de Portugal de futebol. A partida, no Estádio José Alvalade, é o quinto round entre os dois clubes esta temporada. Fomos ouvir as previsões para a partida desta quarta-feira.

SPORTING

Dias Ferreira, ex- dirigente do Sporting

"Que o Sporting ganhe por números suficientes e consiga chegar à final da Taça de Portugal. Considero que o Sporting está mais pressionado que o FC Porto para conquistar este troféu, na medida em que os portistas têm melhores perspetivas de ganhar o campeonato. Que os jogadores joguem o que sabem, que é muito, mas quanto aos aspetos táticos a utilizar nesta partida, deixo para o Jorge Jesus, que sabe muito do assunto, como aliás se tem provado."

FC PORTO

José Guilherme Aguiar, ex-dirigente do FC Porto

"Espero que seja um jogo bem disputado com duas equipas com a moral em alta e que querem atingir a final da Taça de Portugal que é importante para os dois clubes, mesmo para o FC Porto se for campeão. O Sporting está mais pressionado para chegar à final sobretudo se ficar no terceiro lugar no campeonato, que não correspoderá a nada. Espero que o FC Porto seja a equipa que tem sido: forte, resistente, unida, com grande raça e força de vencer. A vantagem de 1-0 poderá ser importante porque o Sporting estará preocupado em marcar e não sofrer, enquanto o FC Porto, mesmo sofrendo, basta-lhe marcar para obrigar o Sporting a ter de fazer dois golos... Eu diria que os primeiros 30 minutos do jogo serão muito importantes porque depois o lado emocional tomará conta dos jogadores."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Geopolítica

5 anos. A Crimeia é russa mesmo que Ocidente não goste

Em março de 2014, no auge da rebelião na Ucrânia que derrubou o regime pró-russo de Viktor Ianukovitch, forças russas ocupavam a Crimeia e Moscovo decretava a 18 a anexação da península e a sua plena integração na Federação Russa. Era o início de uma crise que, cinco anos depois, continua a envenenar as relações entre a Rússia e o Ocidente.