"Devia retirar-me já. Nunca vou ser capaz de igualar este momento"

Sloane Stephens conseguiu o inimaginável: dois meses depois de regressar aos courts, após uma longa ausência, venceu o US Open

O ar de espanto de Sloane Stephens ao receber o cheque de 3,7 milhões de dólares entregue à vencedora do US Open ("O quê? Oh meu Deus...", parece dizer) resume bem o que foi a inesperada ascensão da tenista americana até à conquista do seu primeiro título do Grand Slam. Após quase um ano de ausência, e apenas dois meses depois de ter regressado aos courts, a n.º 83 do ranking WTA surpreendeu até a si própria. "Devia retirar-me já. Nunca vou ser capaz de igualar este momento", afirmou, após vencer a compatriota Madison Keys (6-3 e 6-0), anteontem à noite, na final do torneio nova-iorquino.

Pela primeira vez, desde 2014, o ano vai terminar com quatro vencedoras diferentes nos Grand Slam do circuito feminino: Serena Williams (Austrália), Jelena Ostapenko (Roland Garros), Garbiñe Muguruza (Wimbledon) e Sloane Stephens (US Open). E, como último capítulo da montanha-russa de emoções deste 2017,viveu-se um autêntico conto de fadas. Sloane Stephens (foi semifinalista do Open da Austrália e n.º11 do ranking em 2013) era uma velha promessa caída em descrédito, após ter passado 11 meses ausente da competição devido a uma lesão no pé direito. Há seis semanas, estava no 957.º lugar da tabela WTA, mas iniciou um inimaginável percurso de redenção, que a leva a aparecer hoje - na atualização da hierarquia mundial - na 17.ª posição.

"É incrível. Passei por uma operação [ao pé] a 23 de janeiro e, se alguém me tivesse dito que ia ganhar o US Open, teria respondido que era totalmente impossível", confessou a tenista, de 24 anos, que se tornou a segunda não cabeça-de-série a vencer em Flushing Meadows na era open (Kim Clijsters fê-lo em 2009, num regresso triunfal após ser mãe). "Tudo isto foi fantástico e não o trocaria por nada deste mundo", acrescentou Stephens, após agradecer à "equipa incrível" que a acompanhou na ascensão ao topo.

Contudo, Sloane - filha de uma nadadora (Sybil Smith) e de um jogador de futebol americano (John Stephens) e namorada de uma estrela do soccer dos EUA (Jozy Altidore) - atrasou a festa. Primeiro, quis consolar a desolada Madison Keys, também estreante em finais de majors: "Somos das melhores amigas no circuito e não queria ter jogado com mais ninguém, esta noite, do que contra ela. Foi um momento especial para ambas e gostava que pudesse haver um empate."

O empate não era possível. Mas aconteceu um desfecho realmente inesperado há duas semanas, no início do torneio nova-iorquino. E, no final, mais do que a surpresa da vitória - após deixar pelo caminho figuras do top20 mundial como Dominika Cibulkova, Anastasija Sevastova e Venus Williams -, o que fez a tenista estado-unidense arregalar os olhos foi o cheque com o prémio de 3,7 milhões de dólares (cerca de 3,1 milhões de euros): é quase tanto como acumulara de prize money em dez anos de profissionalismo (4,5 milhões de dólares).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.