Deco estreou-se pela seleção e logo com um golo ao Brasil

Apesar das reticências de Figo e Rui Costa, Deco estreou-se pela seleção nacional a 29 de março de 2003, com um golo frente ao país de origem no estádio onde ia brilhando com as cores do FC Porto.

75 internacionalizações, cinco golos e quatro fases finais (Euros 2004 e 2008 e Mundiais 2006 e 2010). É este o balanço do percurso de Deco na seleção nacional, pela qual foi quase sempre titular indiscutível entre 2003 e 2010.

Porém, o processo de naturalização do médio natural de São Bernardo do Campo, no estado brasileiro de São Paulo, e a consequente chegada do jogador à equipa das quinas, esteve envolto em polémica. Dois nomes com grande peso no balneário luso, Luís Figo e Rui Costa, mostraram-se desde logo contra a presença de jogadores naturalizados nas seleções nacionais.

"Passei por todas as seleções jovens e sei o que me custou chegar à seleção principal. São opções que desvirtuam o espírito da seleção e não estou de acordo", referiu o então extremo do Real Madrid. Já o n.º 10 do AC Milan na altura disse que não tinha nada contra Deco - pelo contrário, pois chegava a ver jogos do FC Porto só para o ver jogar -, mas que não era "a favor de que as seleções - todas, e não só Portugal - naturalizem jogadores, pois por alguma coisa se chama seleção nacional".

Deco defendeu-se. "Penso que eles assumiram uma opção pessoal sobre determinado assunto, falando em termos gerais. Da forma como interpretei as declarações, penso que não foi nada especificamente contra mim, a imprensa é que terá interpretado as coisas nesse sentido", afirmou na altura, esclarecendo que a ideia do processo de naturalização partiu dele. "Não foi a federação que me pediu, foi uma decisão minha, pelo tempo em que estou a viver neste país. É uma opção natural, e minha. A federação só emitiu um parecer."

Apesar da polémica, o médio que representava o FC Porto desde cedo começou a mostrar serviço. Convocado por Luiz Felipe Scolari para os jogos particulares com Brasil e Macedónia, quis o destino que a estreia do médio fosse diante do país de origem, em pleno Estádio das Antas, a 29 de março de 2003, ou seja, há 15 anos.

"Vai ser um sentimento diferente jogar contra o país onde nasci. Não deixei de ser brasileiro por me naturalizar português, mas Portugal diz-me muito. Só eu sei o que Portugal representa para mim. O apoio que tenho recebido das pessoas em geral, desde que se colocou esta situação, deixa-me mais tranquilo. A verdade é que me sinto tão português como brasileiro", confessou Deco, dias antes da estreia com a camisola de Portugal.

Golo de livre e abraço de Rui Costa

Numa noite de chuva, que também ficou marcada pela estreia de outro jogador que se viria a revelar fundamental nos anos seguintes da seleção, Maniche, Deco saltou do banco ao minuto 62, para render Sérgio Conceição, numa fase em que Portugal vencia o Brasil por 1-0, com golo de Pauleta (8").

Três minutos depois da entrada do luso-brasileiro - que coincidiu em campo com Rui Costa -, Ronaldinho Gaúcho empatou a partida na transformação de uma grande penalidade. Contudo, o homem que já estava no centro das atenções ainda foi a tempo de reforçar o protagonismo.

Aos 80", Deco sofreu uma falta de Rivaldo perto da área canarinha. Os brasileiros protestavam a inexistência da infração, com Roberto Carlos a receber ordem de expulsão após um encontrão no árbitro israelita Alon Yefet. Mas a verdade é que o livre foi mesmo assinalado, Deco encarregou-se da marcação e... apontou um golo de belo efeito, batendo o guarda-redes Marcos.

O mágico, como ficou conhecido em Portugal, justificou a alcunha. Além do golo, mostrou bons apontamentos e, no final, mereceu o abraço de Rui Costa. O triunfo, por 2-1 sobre uma seleção que menos de um ano antes tinha conquistado o quinto título mundial (com Scolari ao leme), foi o primeiro da seleção nacional na era Scolari, que teve precisamente no n.º 20 um dos seus esteios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.