De que cor são as bolas de ténis? Roger Federer diz

Número mundial respondeu à questão de um fã e semeou a confusão na Internet

Roger Federer, atual número um do ranking mundial de ténis, existe não só para mostrar a sua categoria enquanto desportista, mas também para responder a questões importantes. Neste caso, explicar de que cor são as bolas de ténis.

Num vídeo que já foi visto mais de 350 mil vezes o suíço é questionado por um fã acerca da cor das bolas de ténis. "São amarelas, certo?", atira Federer.

A "polémica" faz lembrar uma outra de 2015, quando um vestido tomou de assalto a Internet fazendo os internautas discordarem sobre a cor do mesmo: uns diziam que era preto e azul, outros diziam que era branco e dourado.

No final, a empresa que fabrica o vestido explicou mesmo que era azul e preto.

Tal como aconteceu com o famoso vestido, há cerca de três anos, também agora a Internet não consegue chegar a um consenso: uns concordam (ou confiam) em Federer. Outros nem por isso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?