Daniel Candeias prolonga contrato com o Rangers até 2020

O futebolista português prolongou o vínculo contratual com o Rangers até 2020, anunciou esta quarta-feira o clube escocês de Glasgow.

Daniel Candeias, de 30 anos, chegou ao Rangers em 2017 e até ao momento participou em 36 jogos do atual segundo classificado da Liga escocesa, a nove pontos do líder Celtic. O extremo marcou seis golos e fez seis assistências.

O Rangers destaca a forma "quase telepática" como o extremo Daniel Candeias joga na ala direita com o lateral James Tavernier, que também prolongou contrato, tal como Wes Foderingham, Josh Windass e Alfredo Morelos.

Candeias, jogador internacional pelas camadas jovens portuguesas, iniciou a sua carreia sénior ligado ao FC Porto, em 2007, tendo sido sucessivamente emprestado ao Varzim, Rio Ave, Recreativo Huelva (Espanha) e Paços de Ferreira.

Em 2010, após terminado o vínculo contratual com o FC Porto, Daniel Candeias assinou com o Nacional, até 2014, sendo emprestado ao Portimonense (2010/11). Pela formação insular, o extremo participou em 85 jogos, tendo marcado 13 golos.

O futebolista despertou o interesse do Benfica, que o contratou em 2014, mas não chegou a envergar a camisola do clube, dado que foi emprestado sucessivamente ao Nuremberga (Alemanha), Granada (Espanha), Metz (França) e Alanyaspor (Turquia).

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.