D. Jupp e a tentação de voltar a um sítio onde foi feliz

Aos 72 anos, Heynckes é o eleito para render Ancelotti no Bayern. Ainda não deu o sim... mas pode ter adjunto português

O homem que ganhou mais do que Pep Guardiola pode estar de regresso ao Bayern Munique para suceder ao italiano Carlo Ancelotti. A confirmar-se o enlace, será a quarta vez que Jupp Heynckes, antigo treinador do Benfica, orienta a formação bávara, pela qual venceu tudo o que podia ganhar na sua última época como treinador, em 2012-2013, inclusivamente a Liga dos Campeões, objetivo que o técnico catalão não logrou ao serviço do Bayern.

A notícia da contratação de Dom Jupp foi avançada pelo prestigiado jornal alemão Bild e confirmada pelo treinador, que por enquanto prefere ser cauteloso e baixar as expectativas de quem já dá como consumado o acordo. "Não há nada claro nem definitivo. Tenho de analisar tudo. Há quatro anos e meio retirei-me no Bayern e o futebol continuou a evoluir", referiu Heynckes ao jornal Rheinischer Post Online.

O treinador de 72 anos confirmou àquela publicação ter-se reunido com uma comitiva do Bayern Munique composta pelo presidente Uli Hoeness, pelo presidente executivo Karl-Heinz Rummenigge e pelo diretor desportivo Hasan Salihamidzic. Este trio propôs a Jupp Heynckes um contrato de pequena duração, com validade até final da presente temporada, de modo a fazer a ponte para a nova equipa técnica. Muito se fala de Julian Nagelsmann, jovem treinador de 30 anos, atualmente à frente do Hoffenheim, ou de Luis Enrique ou mesmo de Thomas Tuchel, mas o imediato seria com Heynckes, o homem certo para acalmar o agitado balneário do Bayern e por quem, por exemplo, o chileno Vidal tem enorme respeito devido à época em que ambos coabitaram em Leverkusen. Só falta mesmo o sim do antecessor de Mourinho no Benfica.

José António adjunto?

Durante o dia de ontem a edição eletrónica do jornal A Bola avançava com a possibilidade de José António, antigo futebolista, entre outros, de Académica, União de Leiria e FC Porto B ser adjunto de Jupp Heynckes, seu treinador na temporada 2006-2007 no Borussia Moenchengladbach.

Contactado pelo DN, o antigo jogador, atualmente com 40 anos, e sem que se conheça qualquer experiência como treinador, foi bastante evasivo sobre o assunto.

"Já houve gente que falou disso, que é uma possibilidade. Se se concretizar ficarei muito contente", disse José António, sem negar a hipótese de rumar a Munique.

Convidado a dizer se continua a dialogar com Jupp Heynckes, José António confirmou que a boa relação é uma realidade. "Sim, temos mantido o contacto, ele foi meu treinador, sempre tive admiração por ele , caso isso se concretize será bom para mim. Não queria estar a falar sobre isso, se tiver de acontece, acontece. É uma questão falada e só de saber essa possibilidade é um orgulho", finalizou.

Nos próximos dias ficaremos a saber se Jupp Heynckes será treinador do Bayern Munique e se, na condição de a primeira premissa se verificar, o alemão terá como um dos seus elementos da equipa técnica um português.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.